Destaque

UFSM. Instituição vai colaborar em projeto de Mapeamento de Tecnologias Espaciais Nacionais

Por Coordenação de Comunicação Social da UFSM*

A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) firmou parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB), autarquia vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), para o desenvolvimento de um sistema de informação para o projeto Mapeamento de Tecnologias Espaciais Nacionais (MapTec), cujo objetivo é criar um banco de dados do estágio de maturidade da tecnologia espacial nacional. Concebido para ampliar a consciência sobre o desenvolvimento nacional de tecnologias espaciais, o MapTec analisará a maturidade e outras características comuns entre diferentes tecnologias usadas no espaço. Por meio do projeto, será possível comparar tecnologias equivalentes, em diversos estágios de maturidade.

O coordenador do projeto na UFSM, o professor do Centro de Tecnologia (CT) Marcelo Zanetti, explica que a UFSM celebrou com a AEB um Termo de Execução Descentralizada para desenvolver integralmente o sistema de informação que será utilizada pela AEB no MapTec. Trata-se de um projeto interdisciplinar que combina Engenharia de Software, Tecnologia da Informação, Engenharia de Sistemas e Gestão de Projetos. Terá a supervisão de professores que atuam nos cursos de Engenharia Aeroespacial e Engenharia de Telecomunicações do CT.

Por meio de convênio com a Fundep, os recursos recebidos serão destinados ao pagamento de bolsas (para alunos bolsistas de Engenharia Aeroespacial) e aquisição de equipamentos.

“Em resumo, as ações focam em desenvolvimento de software e aplicação de metodologias relacionadas à Ciência de Dados, Gestão de Projetos e Engenharia de Sistemas”, sintetiza. O projeto terá vigência de 24 meses, contando-se a partir de 3 de dezembro de 2020.

Consolidação da UFSM no setor aeroespacial brasileiro
Zanetti afirma que, além de contribuir para o sucesso do Programa Espacial Brasileiro, através do desenvolvimento de um sistema para garantir uma gestão eficiente de recursos, e de criar novas oportunidades de aprendizado para os alunos, a execução do MapTec pela UFSM evidencia a consolidação de sua posição no setor aeroespacial brasileiro.

“Desde o pioneirismo com o programa NanosatC-BR, que lançou o primeiro Cubesat brasileiro, passando pela criação dos cursos em Engenharia Aeroespacial e Engenharia de Telecomunicações, e pela realização da segunda edição do Congresso Aeroespacial Brasileiro, contando com a presença do ministro e astronauta Marcos Pontes, a comunidade acadêmica da UFSM vem indicando alternativas para viabilizar parcerias e colaborações fomentando atividades de ensino, pesquisa e extensão. O caminho é árduo, mas ganham discentes, pesquisadores, instituições e a sociedade como um todo”, analisa o professor.

Zanetti ainda aponta que o MapTec destaca o papel da Gestão de Projetos e Engenharia de Sistemas no fomento ao setor espacial nacional, já que é comum iniciar projetos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico com altas expectativas por resultados exitosos, mas com riscos associados subestimados. Desta forma, segundo ele, principalmente no contexto do Programa Espacial Brasileiro, que precisa apresentar resultados com recursos bastante limitados, é necessário maximizar o retorno de cada real investido.

“Para tanto, é importante promover tecnologias que foram demonstradamente bem sucedidas na avaliação de seu amadurecimento e, também, identificar lacunas tecnológicas em um ecossistema de aplicações”, afirma.

Para a AEB, o projeto MapTec e a colaboração com a UFSM abrirão também oportunidades para cooperar na área de gestão da informação. Por meio do projeto, será possível levantar, de forma detalhada e sistemática, o “patrimônio tecnológico espacial” já desenvolvido no Brasil para se traçarem novas rotas no futuro. A partir desse conhecimento, será possível melhor planejar investimentos e promover a cooperação entre quem faz tecnologia espacial no Brasil. Com isso, o uso de recursos nacionais poderá ser maximizado pela integração dos atores responsáveis pelo desenvolvimento, que são as universidades, os institutos e as empresas.

Além desta parceria, a AEB também apoia o lançamento do NanoSatC-BR2, gerido pelo Laboratório de Ciências Espaciais de Santa Maria (Lacesm) da UFSM, previsto para ser lançado em março de 2021.

Sobre a AEB
A Agência Espacial Brasileira é uma autarquia vinculada ao MCTI, responsável por formular, coordenar e executar a Política Espacial Brasileira. Desde a sua criação, em 10 de fevereiro de 1994, a Agência trabalha para viabilizar os esforços do Estado Brasileiro na promoção do bem-estar da sociedade, por meio do emprego soberano do setor espacial.

*Com informações da Assessoria de Relações Institucionais e Comunicação da AEB

ATENÇÃO


1) Tua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo