DestaqueEducaçãoSanta Maria

CIDADE. Prefeitura entende que decisão judicial da tarde de hoje inviabiliza o retorno às aulas amanhã

Mesmo com Decreto de sexta, Tribunal declara que suspensão ainda é válida

Da Superintendência de Comunicação da Prefeitura Municipal de Santa Maria

A Prefeitura de Santa Maria, por meio do Comitê Estratégico de Acompanhamento da Covid-19, esclarece que, no entendimento do Município, a decisão proferida pelo Tribunal de Justiça no começo da tarde deste domingo (25) acaba por inviabilizar o retorno presencial das aulas nesta segunda-feira (26), tornando qualquer decisão em contrário uma situação que causará insegurança jurídica às instituições de ensino, em especial. 

Desta forma, considerando que o próprio Estado se manifestou no sentido de solicitar esclarecimentos ao Poder Judiciário sobre a situação, a orientação do Município é pelo cumprimento da decisão judicial que impõe a não retomada imediata das aulas, até que se tenha uma posição mais segura ou mesmo outra ordem que estabeleça algo em contrário.

ENTENDA

Após o governo do Estado publicar, na sexta-feira (23), o Decreto 55.852, que permite a cogestão para a área da Educação, neste domingo (25), o Tribunal de Justiça do Estado (TJ/RS) decidiu que permanece válida a decisão liminar de suspensão das aulas presenciais nas escolas públicas e privadas do Rio Grande do Sul. O anúncio foi feito por nota no site do TJ/RS. De acordo com a juíza Cristina Luísa Marquesan da Silva, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, a decisão de suspensão das aulas presenciais nas escolas públicas e privadas, proferida em 28 de fevereiro, continua válida durante a bandeira preta, independentemente de eventual flexibilização de protocolos.

Ao fim da tarde deste domingo (25), o governo do Estado se manifestou sobre a questão das aulas presenciais. O Executivo Estadual informou que a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) postulou ao desembargador Antônio Vinícius Amaro da Silveira para que seja expressamente esclarecido que o Decreto nº 55.852, que colocou a Educação no sistema de cogestão, autorizando o retorno das aulas presenciais, não contraria a decisão judicial de proibição de aulas durante a bandeira preta.

Ao fim da nota, o Estado apresenta que um recurso corre em julgamento virtual, com previsão de encerramento nesta quarta-feira (28), pela 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado (TJ/RS).

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Acho essa situação um tanto curiosa. Difícil entender quando quem decide sobre o professor trabalhar presencialmente, trabalha remotamente, do conforto de sua residência. Essa incoerência não consigo entender.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo