Artigos

Donzelas Guerreiras. Introdução – por Elen Biguelini

Importantes figuras femininas que se tornaram muito importantes na história

A literatura tem um conceito interessante para analisar mulheres que se viram em posições destoantes daquela em que a sociedade tipicamente colocava às mulheres.

As chamadas donzelas guerreiras são figuras femininas que realmente existiram na história. Mulheres fortes e poderosas, que se utilizaram de artimanhas que as escondiam em meio a grupos masculinos. Eram mulheres que vestiam trajes masculinos com o objetivo de participar da guerra. O termo funciona muito bem em português, pois descreve mitos portugueses de senhoras que se travestiram de homens para ir à guerra e conseguiram enganar a todos.

O Doutor Helder Thiago Cordeiro Maia, da USP, afirma que aquilo que caracteriza estas figuras é justamente o transito de gênero; ou seja, a mudança de trajes femininos para masculinos, depois masculinos para femininos: por vezes mais de uma vez, aliado ao interesse de participar na guerra.

A primeira vista do termo não permite que não seja feita uma rápida associação â figura de Mulan. A princesa da Disney é reconhecidamente o primeiro exemplo que podemos encontrar deste tipo de mulheres que lutavam para se impor perante uma sociedade que não as tratava como iguais. Mas neste texto pretendemos focar em figuras portuguesas e brasileiras; em continuação ao texto de semana passada.

Elaine Sanceu mencionou algumas destas senhoras em sua obra, mas aqui iremos adicionar ainda outras cuja vida, carreira militar e história causam orgulho â todas as mulheres. O sentimento de conhecê-las é semelhante a alegria que levou ao choro muitas expectadoras de cinema ao verem Amazonas lutarem (em Mulher Maravilha): um sentimento de pertencimento à sociedade.

As mulheres não estiveram escondidas durante os acontecimentos mais importantes da história do país e do mundo. Algumas trocaram suas saias por vestes de marinheiro, de pajem, de militar; e se adentraram em um meio que poderia ser perigoso para elas. Não apenas para a guerra em si, mas também locais nos quais as mulheres não eram aceitas e que as consequências de se colocarem nestes locais poderiam ser mais graves do que a morte em batalha.

A partir desta semana, iremos trazer algumas destas figuras, para que sejam conhecidas e lembradas; bem como celebradas; por sua coragem e resiliência, bem como elevando assim a sua importância para a história das mulheres brasileiras.

(*) Elen Biguelini é Doutora em História (Universidade de Coimbra, 2017) e Mestre em Estudos Feministas (Universidade de Coimbra, 2012), tendo como foco a pesquisa na história das mulheres e da autoria feminina durante o século XIX. Ela escreve semanalmente aos domingos, no site.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Justiniano, imperador do oriente, o do código casou com Teodora, uma ‘ex-atriz’. Eufemismo, ela cresceu num bordel. Pela lei não poderia ter acontecido o casamento, mas o tio do futuro emperador (que ocupava o trono na epoca da boda) passou uma lei legalizando o casamento com ‘ex-atrizes’. Em 532 aconteceu uma revolta. Justiano corre para seu barco para fugir e encontra a esposa esperando (segundo a lenda). Toma uma ‘mijada’ e volta para enfrentar a rebelião. Mantem o trono. Alas, o principal general de Justiniano também era casado com uma ex-atriz.
    As amazonas da antiga Grecia teriam realmente existido. Já foram encontradas tumbas. Resumindo muito, mulheres guerreiras num contexto tribal entre os Citas.
    O estado do Amazonas tem este nome porque lá por 1500 e pouco uma expedição desceu o rio e segundo relatos teria sido atacado por mulheres guerreiras.
    Logo não é necessario apelar para a ficção, basta olhar para a historia com um pouco mais de profundidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo