DestaqueEstado

RSC 287. Deputado cobra diálogo por parte do Governo sobre praça de pedágio em Santa Maria

Valdeci Oliveira levou o assunto à Comissão de Assuntos Municipais da AL

Valdeci Oliveira, na Comissão de Assuntos Municipais: reforço a pedido de audiência com o governo (Foto Reprodução Agência ALRS)

Da Assessoria de Imprensa do Deputado Valdeci Oliveira

O deputado Valdeci Oliveira (PT) cobrou, durante reunião ordinária realizada nesta terça-feira, 26, pela Comissão de Assuntos Municipais (CAM) da Assembleia Legislativa, que o governo do estado inicie o diálogo e a crie uma mesa de negociação para discutir a instalação de uma praça de pedágio no Distrito de Palma, no interior de Santa Maria.

O posto de cobrança em questão – um dos 22 que serão construídos em diversas regiões do RS e consta no projeto de concessão de rodovias do governo gaúcho pelos próximos 30 anos – está no centro dos debates e mobilização de moradores de Palma, Arroio do Só e de outras comunidades que integram a Quarta Colônia e serão afetadas pelo pedagiamento da rodovia RSC-287 com vistas a sua duplicação.

“Quero reforçar a solicitação de audiência com os secretários Jovir Costella (Transporte) e Leonardo Busatto (Parcerias) e com a empresa Sacyr, que é a responsável pelas obras na 287. Vários documentos já foram encaminhados neste sentido por este colegiado e pela comissão de moradores, produtores rurais e lideranças daquela região e nenhum retorno se obteve até o momento. É fundamental que o governo assegure essa possibilidade para que essas comunidades trabalhadoras, honestas e que lutam muito para sobreviver e produzir, sejam ouvidas”, frisou o parlamentar.
Segundo Valdeci, as localidades não têm nenhuma contrariedade à duplicação nem ao pedágio, mas sim a sua localização (em frente a uma escola) e a outros itens relacionados à mobilidade e segurança daquelas populações.

“Enquanto o governo não marcar uma data vou continuar falando e cobrando o agendamento do encontro. E farei isso todas as terças-feiras nesta Comissão”, assegurou o deputado. Os encaminhamentos feitos ao governo foram confirmados pelo presidente da CAM, deputado Adroaldo Loureiro.
As comunidades também questionam o início das obras de ampliação dos 17 quilômetros da rodovia que ficam no território pertencente a Santa Maria – entre o município e Novo Cabrais -, que só começarão a ser feitas depois de 19 anos do início da concessão à iniciativa privada, mas com todos os moradores e produtores rurais pagando diariamente para se deslocar.

Uma das deliberações aprovadas durante audiência pública proposta por Valdeci e realizada em 15 de outubro passado, em Restinga Seca, foi de que o governo negocie para que as obras comecem conjuntamente nas duas pontas, em Santa Maria e Tabaí, na Região Metropolitana da capital.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Eu só sei duma coisa… O que estão fazendo com os moradores que moram para além da praça de pedágio é injusto. Nada contra o pedágio, nessa altura do campeonato, apenas contra a segregação social que ocorrerá a esses moradores do Arroio do Só e da Palma que terão que pagar pedágio para poder se deslocar dentro do próprio município.

  2. Do PT e de Valdeci só se espera empulhação. Ocorreu licitação internacional e foi celebrado contrato. Até o fluxo minimo diario de veiculos por praça de pedágio está amarrado. Fluxo maior da rodovia fica entre a Tabai e Santa Cruz do Sul. São fatos. Mudar praça de pedágio pode até levar ao desembolso pelo estado de numerário para restabelecer o equilibrio economico-financeiro. Depois disto tudo, Valdeci, que não tem mais asfalto de São Martinho para se promover, cata um bando de coitados para tentar rediscutir o processo todo. Mudar praça de pedágio altera o modelo economico-financeiro. Colocar equipes para trabalhar na ponta de cá também altera o modelo. Pura politicagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo