DestaqueEducação

UFSM. Pedido de vista do DCE adia uma decisão sobre pagamento de taxas para a especialização

Conselho Universitário deverá tratar do tema em reunião dentro de 15 dias

“Esse é um assunto que, vira e mexe, volta para dentro do Conselho, e sempre foi rebatido”, diz Luiz Boneti (Foto Reprodução)

Por Bruna Homrich / Da Assessoria de Imprensa da Seção Sindical dos Docentes da UFSM (Sedufsm)

A minuta de resolução responsável por regulamentar os cursos de pós-graduação lato sensu na UFSM seria discutida na reunião do Conselho Universitário (Consu) ocorrida na manhã desta sexta-feira, 26 de novembro. Contudo, o conselheiro Luiz Eduardo Boneti, integrante do DCE UFSM, realizou o pedido de vista, acatado pelo reitor Paulo Burmann. Desta forma, a discussão foi adiada e, se respeitada a periodicidade das reuniões, deve entrar em pauta no próximo encontro do Conselho, previsto para acontecer daqui a duas semanas.

O pedido de vista deve-se ao fato de a minuta de resolução trazer um ponto polêmico e duramente combatido pelas entidades representativas dos segmentos: a possibilidade de que a universidade cobre taxas e mensalidades pela oferta de cursos de pós-graduação lato sensu, caracterizados por serem de oferta eventual e utilizados para sanar demandas específicas de formação.

“Não temos contrariedade à resolução, mas a um ponto específico, que é a possibilidade de cobrança em cursos de pós-graduação lato sensu. Esse é um assunto que, vira e mexe, volta para dentro do Conselho, e sempre foi rebatido. Se houver aprovação agora, estaremos desconsiderando quase metade do CEPE [que se posicionou contrariamente à cobrança]”, afirmou Boneti durante o pedido de vistas.

Na última sexta, 19 de novembro, a minuta foi aprovada no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) após uma votação apertada, em que se registraram, formalmente, 25 votos favoráveis e 23 contrários – embora, na prática, um conselheiro tenha solicitado revisão de votação, algo que, se tivesse sido acatado pela mesa da reunião, resultaria em um empate. Isso simboliza que a oferta de cursos pagos de pós-graduação, longe de ser uma defesa consensual ou consideravelmente majoritária, é tema de disputas, dissonâncias e incertezas dentro da instituição.

Dentre as principais críticas apresentadas pela Sedufsm, em conjunto com DCE, APG, Assufsm, Atens e Sinasefe, está o caráter privatista deste item da minuta, visto que oferecer cursos pagos dentro de uma universidade pública é romper com o princípio de gratuidade do ensino, afrontar a autonomia universitária e colocar uma verdadeira catraca que obstaculizará o acesso à formação por pessoas não favorecidas economicamente.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo