DestaqueEducação

FALA, SCHUCH! Reitor teme perda de qualidade de serviço da UFSM a partir de novo corte orçamentário

Schuch concede uma entrevista à assessoria de imprensa do sindicato docente

“Previsão é de uma redução de 26% no orçamento, o que impactará todo o nosso planejamento para 2022″ (Foto Solange Prediger/UFSM)

Por Fritz R. Nunes / Da Assessoria de Imprensa da Seção Sindical dos Docentes da UFSM (Sedufsm)

No dia 5 de janeiro, o professor Luciano Schuch foi nomeado oficialmente para o cargo de reitor da UFSM, em uma cerimônia virtual, na qual participou, direto de Brasília, o ministro da Educação, Milton Ribeiro. O titular do MEC viria para a transmissão oficial do cargo, no sábado, 8 de janeiro, mas desistiu de última hora. Coincidentemente, a desistência ocorreu após entidades representativas dos três segmentos da universidade terem anunciado um protesto contra a presença do representante do governo bolsonarista.

Apesar de ser uma administração de continuidade – Luciano Schuch era vice do reitor que saiu, Paulo Burmann – alguns traços políticos parecem distanciar o atual reitor do seu antecessor. Uma dessas posturas diferenciais é a proximidade do atual reitor com apoiadores do governo de Jair Bolsonaro, caracterizado por ser um governo cujos membros criticam acidamente as universidades federais desde 2019, ao mesmo tempo que passam a tesoura sem dó nos recursos dessas instituições.

Em entrevista realizada pela assessoria de imprensa da Sedufsm, o reitor foi questionado sobre a famosa imagem em que ele se deixou fotografar com um quadro em que está a foto do presidente Bolsonaro. Por que essa foto? “Liturgia do cargo”, respondeu Schuch. Mas a situação toda não se resume a essa imagem. Circularam nas redes sociais vídeos com ele rodeado e recebendo elogios de figuras importantes do bolsonarismo, como é o caso do deputado federal Bibo Nunes (PSL-RS), que, aliás, foi quem primeiro anunciou, por rede social, que Schuch seria nomeado pelo Executivo federal.

Nas questões encaminhadas ao reitor também perguntamos sobre um fato novo, mas que remete ao passado, que é o anúncio, por parte do dirigente da UFSM, de que trará de volta o vestibular e o Programa Especial de Ingresso ao Ensino Superior (Peies), reduzindo a menos da metade as vagas de ingresso pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Luciano Schuch não respondeu diretamente quem reivindica o retorno do Peies/Vestibular, mas argumenta que essa modalidade de ingresso aproximaria a universidade das escolas da região. Enquanto isso, pelos jornais e redes sociais, muitos elogios das entidades empresariais a esse anúncio da gestão.

Independente de elogios feitos por lideranças políticas bolsonaristas à gestão que recém assumiu a reitoria, o dia a dia vai mostrar como fazer para manter-se próximo de um governo que não parece preocupado com as universidades. Os cortes orçamentários seguem e não há perspectiva de revertê-los, ainda que o professor Luciano Schuch afirme estar “atuando fortemente junto ao governo federal” assim como também a própria Associação dos Dirigentes das Federais (Andifes) estaria agindo.

O reitor, que domina as informações sobre o caixa da UFSM pelo menos desde o final de 2017, quando assumiu a vice-reitoria de Paulo Burmann, parece ter clareza na sua percepção. “A previsão é de uma redução de 26% no orçamento que impactará todo o nosso planejamento para o ano de 2022. Teremos que priorizar reformas, conclusões de obras em andamento e um controle rigoroso nos encargos da Universidade”.

E acrescenta em outro ponto da entrevista: “A redução dos recursos da UFSM prejudica a qualidade dos nossos serviços, reduz-se a quantidade de insumo, a equipe de terceirizados é reduzida cada vez mais, entre outros. É uma grande cadeia que falha e prejudica a jornada pelo conhecimento de mais de 28 mil estudantes, bem como diversos projetos de extensão e pesquisa são adiados.”

Portanto, até mesmo para dar consequência ao projeto da gestão eleita, de compatibilizar inovação com inclusão social, algo mais precisará ser feito além de troca de sorrisos e elogios. Acompanhe a íntegra da entrevista a seguir.

Pergunta– Professor Schuch, a UFSM tem uma previsão de retorno total à presencialidade para final de março de 2022. Diante do aumento expressivo de casos de Covid-19, em virtude da variante Ômicron, é possível que essa data seja revista?

Resposta– Destacamos que a definição do início do próximo semestre e do calendário acadêmico é do CEPE, a quem devemos encaminhar duas sugestões de calendário: uma mantendo a proposta inicial com início do semestre em 21 de março, que já está sendo debatida com a comunidade, e outra com a sugestão de início na primeira quinzena de abril de 2022. Enquanto isso, estamos avaliando junto ao COE-E – UFSM as condições necessárias para o retorno à presencialidade.

Pergunta- Em novembro de 2021, a Proplan da UFSM repassou dados para uma matéria que publicamos que apontavam para uma redução orçamentária em 2022 de 26,6% em comparação a 2019. Esse percentual se mantém?

Resposta– O orçamento para 2022, em relação a 2019, último ano com presencialidade, tem previsão de redução de 15 milhões para 5 milhões em investimento. Em relação ao custeio, a redução será de 121 milhões para 95 milhões. No geral, a previsão é de uma redução de 26% no orçamento, que impactará todo o nosso planejamento para o ano de 2022. Teremos que priorizar reformas, conclusões de obras em andamento e um controle rigoroso nos encargos da Universidade.

Pergunta– De que forma a UFSM vai funcionar diante dos cortes orçamentários, especialmente num período especial, que exige mais investimentos em função das questões sanitárias da Covid?

Resposta– Estamos atuando fortemente junto ao Governo Federal e também através da Andifes para que o orçamento das Instituições Federais de Ensino Superior seja revisto e readequado. Ainda assim, há anos estamos enfrentando severos cortes orçamentários, que interferem diretamente nos investimentos realizados na pesquisa, no ensino e na extensão. A redução dos recursos da UFSM prejudica a qualidade dos nossos serviços, reduz-se a quantidade de insumo, a equipe de terceirizados é reduzida cada vez mais, entre outros. É uma grande cadeia que falha e prejudica a jornada pelo conhecimento de mais de 28 mil estudantes, bem como diversos projetos de extensão e pesquisa são adiados.

Pergunta– Em suas manifestações, ainda na condição de candidato, ou mesmo após a sua confirmação como dirigente da universidade, o sr. usou bastante expressões que falam em uma universidade de excelência, inovadora, ao mesmo tempo em que inclusiva. Como a sua gestão pretende, concretamente, agir para compatibilizar esses aspectos?

Resposta– Nós temos um dos melhores programas de assistência estudantil brasileiro, criamos a política de arte e cultura e a política de gênero, fomos pioneiros nas políticas afirmativas e no ingresso de refugiados e imigrantes. Estas e outras ações garantem a diversidade e a inclusão na nossa instituição, e serão reforçadas. Por outro lado, criamos a política de inovação, disciplinas de empreendedorismo e criamos o parque de ciência e tecnologia da UFSM. Estas ações são complementares e fortalecem o papel da universalidade da Universidade. Queremos dar oportunidades para nossos estudantes de se qualificarem nas mais diversas áreas do conhecimento e da atuação profissional. Só seremos fortes se tivermos inclusão social, diversidade e estando próximo da sociedade e do setor produtivo nacional.

Pergunta– Em entrevista à imprensa santa-mariense o sr. disse que a UFSM, através da Prograd, vai colocar em debate na instituição um projeto de retorno do vestibular e do Peies. Por que essa iniciativa? Ela não é uma volta ao passado? Que setores reivindicam esse retorno?

Resposta– Não é de hoje que essa possibilidade é discutida na instituição. Acreditamos no SISU e, por isso, vamos manter também esta forma de ingresso. Ainda que ao longo dos anos esse sistema de ingresso tenha apresentado instabilidade por depender do Governo Federal. Mas também acreditamos no que representava o PEIES e o sistema seriado para nos aproximar das escolas de toda a região. Estas formas de ingresso aproximavam a UFSM da nossa região, gerando um sentimento de pertencimento da nossa comunidade, bem como da UFSM para com a região. Além disso, estamos totalmente abertos para as demandas da nossa cidade e também das regiões em que a UFSM possui campi. Mas seguiremos sempre com o olhar atento para o processo de ingresso. Ele não é estático. Está sempre sob avaliação.

Pergunta– O sr. recebeu muitas críticas de apoiadores (as) quando, em outubro de 2021, posou, junto com uma liderança do partido do presidente Bolsonaro, para uma foto com um quadro doado pelo deputado federal Bibo Nunes (PSL), em que está a imagem do presidente Bolsonaro. Diante de tantos ataques que as universidades federais sofreram do atual governo, por que o sr. aceitou tirar essa foto?

Resposta– Liturgia do cargo de vice-reitor na época do fato.

Pergunta– No seu discurso oficial de transmissão de cargo, no dia 8 de janeiro, chama a atenção que o sr. agradeceu a diversas entidades, mas também a diversos políticos ligados ao presidente Bolsonaro, entre eles, o senador Luis Carlos Heinze, o mesmo que, em junho passado, disse ter “vergonha da UFSM”. O que justificaria esse agradecimento?

Resposta– Os agradecimentos foram para lideranças políticas e para entidades que defenderam junto ao governo federal que o resultado da pesquisa de opinião e da eleição nos Conselhos Superiores fosse mantido pelo Presidente da República.
PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

7 Comentários

  1. Viu? O transparente editor já apagou a primeira opinião.

    Nota do Editor: a que opinião o leitor se refere? Todos os comentários foram liberados. Sem exceção!

  2. Quanto a questão de frequentes cortes no orçamento da UFSM nos último anos, revelo aqui uma pergunta que não quer calar. A Universidade vem restringindo ao longo dos anos os serviços terceirizados, as pesquisas, as extensões e assim por diante, mas as obras não cessam. A cada semenstre um novo prédio, e não necessariamente para as atividades acadêmicas, o que leva a acreditar que os recursos não estão tão escassos assim. O orçamento é único com várias rubricas, certamente. Quem sabe se os atuais prédios, já existentes, forem melhor aproveitados, os recursos podem ser direcionados plenamente para a formação acadêmica.

  3. É fato e não boato, que o editor desta matéria não se mostra um admirador do Presidente da República com incontestável aversão ao dirigente máximo, o que é razoável no que tange a sua ideologia. Só neste texto encontram-se oito ocorrências que se referem ao PR, assim descritas:
    – …. governo bolsonarista;
    – …. apoiadores do governo Jair Bolsonaro;
    – …. junto com um quando do PR;
    – …. bolsonarismo;
    – …. liderança políticas bolsonaristas;
    – …. posou junto com uma das lideranças do partido do P. Bolsonaro;
    – ….imagem do P. Bolsonaro;
    -….diversos partidos políticos ligados ao P. Bolsonaro.
    O editor por sua retilínea vocação não é imparcial como se revela em suas matérias, sempre promovendo, explicitamente, sua sede de ódio.
    Caro Claudemir, utilize este canal para transmitir somente notícias e reserve suas convicções para o seu grupo mais restrito e em ambiente privado.
    Certamente virá a mensagem que este assunto já foi tratado anteriormente.

  4. Folha, Bilionária, de Pagamento não faz parte do Orçamento? Os cortes anunciados é de quantos % sobre a soma de Todos os gastos da UFSM? Todos.

    1. Problema pode ser resolvido com a greve que periodicamente acontece. Alás, sem preocupação, UFSM se resolve sozinha. Não é a toa que a segunda melhor universidade do RS é a PUC de POA. Por anos a fio a melhor universidade da AL era a USP (aquela dos 80% das pesquisas e que está em decadencia há decadas), foi ultrapassada pela PUC de Santiago do Chile (que deve cair agora que assumiu um governo de esquerda). Dsisciplinas de empreendedorismo na melhor das hipoteses ministradas por alguém com doutorado numa area obscura do conhecimento e sem experiencia nenhuma na materia. Parque de ciencia e tecnologia, na maioria das vezes servidores publicos brincando de ‘shark tank’ com dinheiro publico. Marketeiam muito bem os ‘sucessos’ e escondem os fracassos. Ideologia não pode faltar, tudo está justificado (falacio do espantalho se não me engano) com ‘inclusão social e diversidade’. Qualitativamente porque não se comparam com outros. Alás, internacionalização, produção cientifica de qualidade (que não seja por auto-declaração) é coisa da Globo, fica em segundo plano. Melhor comemorar premio de ‘pesquisadora portadora de perseguida’. Lembrando que Marie Curie ganhou um Nobel em fisica e outro em quimica. Nunca vi um rato do tamanho de uma vaca, nem uma vaca de do tamanho de um rato. Na aldeia pelo que falam há ratos do tamanho de elefantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo