DestaqueEconomia

ESTADO. Sindicatos do funcionalismo público pressionam governo por um reajuste de 10,06%

Dirigentes de 11 entidades foram recebidos pelo governador Ranolvo Vieira Jr

Líderes do funcionalismo afirmam ser possível o reajuste sem ultrapassar o limite da Lei (Foto Bruna Karpinski/Divulgação)

Da Redação do jornal eletrônico SUL21

Dirigentes de 11 associações e sindicatos representantes de diversas categorias de servidores públicos foram recebidos, nesta quarta-feira (20), pelo governador Ranolfo Vieira Júnior (PSDB), em agenda para cobrar a reposição da inflação para o funcionalismo.

Os trabalhadores demandam um reajuste de 10,06%, conforme estudo feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) que mostra ser possível conceder tal índice (IPCA/IBGE relativo ao ano de 2021) aos servidores e que este percentual representaria um comprometimento de 43,4% da receita com despesa de pessoal.

De acordo com os representes do funcionalismo, existe portanto margem para o governador melhorar o percentual de reposição para os servidores sem atingir o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal que equivale a 46,55%. O governo estadual, por outro lado, tem dito que o reajuste não pode ultrapassar o índice proposto de 6% em razão do teto de gastos.

“Mesmo diante da situação de penúria dos servidores, que acumulam mais de 57% de perdas, o governador se mostrou inflexível na ampliação do percentual de reajuste de 6%. Os dados apresentados pelo Estado condicionam um cenário altamente pessimista e que não condiz com a realidade. No final, foi aberta a possibilidade de negociar outros avanços, como a reestruturação das carreiras”, disse Antonio Augusto Medeiros, presidente do Sindicato dos Servidores de Nível Superior do RS (Sintergs).

Ranolfo se comprometeu a agendar nova rodada de reuniões para tratar dos pleitos específicos de cada sindicato. Também participaram do encontro o secretário-chefe da Casa Civil, Artur Lemos Júnior, e o deputado Frederico Antunes, líder do governo.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo