Artigos

Bem curtinho, sobre homicídios e sistema prisional – por Marcelo Arigony

“E aí vem a questão mais importante: tudo que as polícias fazem é paliativo”

Hoje o texto é curtinho, porque não quero mais falar de sistema prisional. Porque já falei na semana passada, e já falei em diversas outras ocasiões. Mas tenho que falar, porque os índices de homicídios estão aumentando e as polícias são cobradas a resolver um problema que desborda da área policial estrita.

A experiência policial e científica me mostrou que os homicídios estão ligados ao sistema prisional. A grande maioria dos homicídios, quase todos mesmo, estão relacionados a disputas de poder, por grupos delinquentes. Lembro que desde à época em que fui delegado de polícia regional o panorama é esse. O sistema prisional é uma variável constante: ou está no polo ativo ou no polo passivo do delito. Precisamos de uma força disruptiva para resolver esse problema.

E aí vem a questão mais importante: tudo o que as polícias fazem é paliativo. Trabalham na consequência da falta de políticas públicas efetivas que possam melhorar as condições nas áreas de vulnerabilidade social e recrutar as pessoas para o lado bom da sociedade.

O Estado falha do primeiro ao quinto como promotor de dignidade, e temos cada vez mais crianças, adolescentes e adultos ingressando nas fileiras da criminalidade. E polícia não vai resolver isso, o Estado policial é meramente reativo.

__________________________

Em que pese haja alguns momentos de aumento nos índices de crimes em Santa Maria, nossa cidade tem historicamente um dos menores índices de criminalidade entre as cidade de mesmo porte.

(*) Marcelo Mendes Arigony é titular da 2ª Delegacia de Polícia Civil em Santa Maria, professor de Direito Penal na Ulbra/SM e Doutor em Administração pela UFSM. Ele escreve no site às quartas-feiras.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Uma sociedade perfeita não precisaria de policia. Ou advogados. A perversidade da falácia é afirmar que só porque alguém nasce numa região de vulnerabilidade social é um criminoso em potencial. O que esta longe de ser verdade. Outra falácia, o ‘Estado’, esta entidade mágica, resolverá todos os problemas com ‘politicas publicas’ (um tipo de ‘hocus pocus’). Outra solução fácil: vamos descriminalizar a drogas. Até já vi um imbecil com carteira da OAB no bolso falando ‘resultaria que o crime passaria a atuar no patrimonio que seria mais facil para a policia resolver’. Sim, tirar o crime da periferia (que já não é tao periferia assim) e levar para o Centro não teria nenhma repercussão eleitoral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo