DestaqueEleições 2022

ELEIÇÕES 2022. PSTU anuncia pré-candidatura ao Piratini. Nome apresentado é o de Rejane de Oliveira

Ex-presidente do CPERS Sindicato apresentada como concorrente em outubro

Rejane Oliveira presidiu o CPERS nos primeiros anos da década passada e concorre ao Piratini pelo PSTU (Foto Reprodução)

A professora Rejane Oliveira, ex-presidente do CPERS Sindicato, foi confirmada nesta quinta-feira, como a candidate do PSTU gaúcho para a disputa do Governo do Estado. Abaixo você confere a apresentação feita pelo site oficial do partido, na seção do Rio Grande do Sul. Acompanhe:

“O PSTU tem a grata satisfação de apresentar para os trabalhadores (as) do Rio Grande do Sul a pré-candidatura de Rejane de Oliveira ao governo do Estado. É a única candidata ligada às lutas da classe trabalhadora e defenderá um programa socialista ao governo do Rio Grande do Sul.

O Brasil de Bolsonaro: um país rico e um povo mais pobre

O Brasil é, apesar de toda a decadência das últimas décadas, um país rico. Não haveria razão para ter 20 milhões passando fome, ou para a maioria dos trabalhadores (as) não contar com emprego formal, salário digno e direitos.  Mas isso acontece justamente porque toda a economia é dominada por meia dúzia de grandes bancos e empresas multinacionais, que controlam o grosso da economia, incluindo o agronegócio, de quem os grandes empresários brasileiros são sócios menores. Bolsonaro reflete o empresariado mais reacionário, que quer o lucro a qualquer custo, ou seja, a própria vida dos trabalhadores (as). Não à toa incentiva os ataques armados de milicianos, garimpeiros e polícia sobre os mais fracos.

O PSTU impulsiona o Polo Socialista e Revolucionário, acordo entre organizações políticas e dirigentes que tem essa compreensão. Em nível nacional, o Polo está representado pela pré-candidatura da Vera para a presidência do país. É necessário que a classe trabalhadora tenha um programa contraposto às alternativas que, sendo de direita ou de esquerda, querem manter o domínio dos capitalistas sobre a sociedade, afundando-a na sua própria crise.

O Rio Grande precisa de uma alternativa dos trabalhadores (as)!

Eduardo Leite governou a serviço dos ricos e dos patrões, manteve e ampliou a política de isenções e benefícios para grandes empresas e o agronegócio; privatizou a CRM, Sulgás e CEEE e impôs um arrocho salarial ao conjunto do funcionalismo e o desmonte do serviço público. Na pandemia, no momento mais crítico, não garantiu medidas de distanciamento, se igualando a Bolsonaro, com o lucro acima das vidas.

É necessário romper com a dívida federal, que já foi paga. Romper com os compromissos com os ricos, as isenções a empresas, que só a pioram a vida do povo trabalhador, com sucateamento e desmonte da saúde, educação e nenhuma política de combate ao desemprego…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo