Coluna Observatório: “Decisão que vem de lá sobra cá”

A questão toda é a seguinte: o PPS de Roberto Freire (Ciro Gomes já se mandou) e o PDT de… quem mesmo? … decidiram, ainda quando o Dr Leonel, que mandava no pedetismo, era vivo, que um dia as siglas seriam uma só. E o processo começou, devagariiiinho. Mas prosseguiu.
      Está-se, agora, numa fase crucial – a união de ambos, na forma de coligação, nas eleições gerais do ano que vem. Se não tiverem candidato próprio (terão, em princípio), no mínimo tomarão juntos a decisão de apoio a quem quer que seja, que não Lula.
      Há aí, uma situação que afeta diretamente ambos em Santa Maria. Enquanto o PDT não quer ver o PT nem pintado de ouro, o PPS está abraçado com o petismo na administração municipal. Aí é que a porca torce o rabo. Nos neocomunistas (alguém ainda lembra de Luiz Carlos Prestes), nota-se um inconformismo da cúpula e o integrante do partido no governo, Osvaldo Severo, começa a ser fritado a partir de Brasília, passando por Porto Alegre e arredores. E está na corda bamba.
      Resultado? Das duas umas: ele se enquadra e sai do convívio com o PT ou, que ninguém duvide, haverá intervenção. Sem dó ou piedade. A conferir.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *