Eleições 2006. Quase 8 milhões de gaúchos e a grande responsabilidade deles neste domingo

A Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul tem um excepcional serviço de imprensa. Profissionais recrutados junto aos veículos de comunicação estaduais, somados aos que lá se criaram, conseguem realizar um trabalho de qualidade invejável. Um verdadeiro jornalismo de prestação de serviços. Com tudo o que há de melhor.

Nessa época de eleições, por exemplo, profissionais da Agência de Notícias da AL elaboraram e distribuíram aos veículos de comunicação do Estado, uma série de reportagens elucidativas. Sem tomar partido. Muito bom, mas bom meeesmo, o trabalho desses colegas.

Alguns dos textos já reproduzi aqui. Mas, nesta madrugada que antecede o pleito, e lendo tudo o que os jornais do Estado publicaram, não encontrei nada mais direto ao ponto do que o que você lerá a partir de agora. Informação, informação, informação. É o que há no texto escrito por Mirella Poyastro e editado por Lílian Rubio, que passo a reproduzir:

”Mais de 7,7 milhões de gaúchos vão às urnas em 1º de outubro

No dia 1º de outubro, 7.750.583 eleitores vão escolher, pelo voto, quem governará o Rio Grande do Sul pelos próximos quatro anos. Além de optar por um dos oito candidatos a presidente e dez ao Piratini, os gaúchos vão decidir quem vai ocupar a vaga do Estado no Senado, que está sendo disputada por dez candidatos. Caberá ainda ao quinto colégio eleitoral do País determinar quem representará os interesses do Estado nas 31 cadeiras da Câmara Federal e quem ocupará as 55 vagas da Assembléia Legislativa.

O destino dos 287 candidatos a deputado federal e dos 496 a deputado estadual está nas mãos de 3.747.172 homens e 4.003.411 mulheres. A tendência do eleitorado feminino ser maioria se repete também em nível nacional. Dos 125.913.479 brasileiros votantes, cerca de 65 milhões são mulheres. No entanto, dos 496 municípios gaúchos, 306 têm mais homens do que mulheres habilitados a votar. Isto ocorre principalmente nas cidades com menos de 4 mil eleitores, maioria no Rio Grande do Sul.

Votarão pela primeira vez nestas eleições 150.210 jovens entre 16 e 18 anos. Digitarão o voto na urna eletrônica 268.295 analfabetos, o menor número registrado no Estado desde as eleições gerais de 1998, quando votaram 304.578 pessoas que não sabiam ler e nem escrever. Porto Alegre é o maior colégio eleitoral do Estado e é a cidade com o maior número de eleitores analfabetos e jovens.

O Rio Grande do Sul registra o menor aumento no número de votantes do País. Desde as últimas eleições gerais, em outubro de 2002, o eleitorado gaúcho cresceu apenas 5, 4%, contra 6,3% da Bahia e 6,6% do Rio de Janeiro. Apenas 13,73% dos eleitores gaúchos são filiados a…”


SE DESEJAR ler a íntegra da notícia, pode fazê-lo acessando a página da Assembléia Legislativa na internet, no endereço http://www.al.rs.gov.br.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *