Arquivo

Boa notícia. Pelo menos as ‘verbas de gabinete’ ficam sem reajuste no Congresso. Por enquanto

Que não se diga faltar esforço. Desde o final de 2006, ou mesmo antes, os congressistas tentam aumentar o próprio rendimento. Seja nos subsídios (lembra da história do aumento de 91%), nas chamadas “verbas indenizatórias” ou “de gabinete”. E, até agora, nada. Muito, claro, pelo temor de ver ainda mais desgastada a relação do Parlamento com a sociedade. E bastante, igualmente, pela reação interna – há deputados e senadores que, honesta ou oportunistamente (eles também existem), reagem às possibilidades aventadas de reajuste.

 

Há, no entanto, alguns consensos aparentes. Um deles é que, em algum momento (muitos queriam pra já), os subsídios serão reajustados de R$ 12,8 mil para R$ 16,2 mil – ou 28%, o índice de inflação dos últimos quatro anos. Outro é que a brecha principal para aumentar a renda de deputados e senadores, é o reajuste, que não dependeria de decisão plenária, mas apenas de um canetaço, das chamadas verbas indenizatórias. Ou verbas de gabinete.

 

As primeiras, atualmente fixadas em R$ 15 mil, requerem comprovação através de nota fiscal – normalmente concedidas por “consultorias” ou “combustível”. São dinheiro “limpo”, que vai para o bolso do parlamentar. É, inclusive, para muitos, considerada vital para a sobrevivência. Ok, ok, ok. Então, tá.

 

As segundas têm finalidade diferente. São elas que bancam os escritórios políticos dos parlamentares. Utilizadas em Brasília e nas bases eleitorais de deputados e senadores. Ajudam, por exemplo, os santa-marienses Paulo Pimenta e Cezar Schirmer (este menos, porque tem que dividir com o titular, Osmar Terra) a bancar seus gabinetes em Santa Maria ou outros locais do Rio Grande do Sul.

 

O valor total, hoje, é de R$ 50 mil. Para aumentar, depende apenas da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados. Houve nova tentativa, proposta pelo deputado Ciro Nogueira. O representante do PP (sim, o PP) do Piauí queria um aumento para R$ 65 mil mensais. Foi derrotado, em reunião da direção do Legislativo, nesta quarta-feira. Goleada de 1 a 6.

 

Quer dizer, por enquanto, nada de aumento. Tem deputado choramingando pelos cantos. Inclusive porque o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia, embora admita o reajuste dos subsídios, refuta o aumento das verbas complementares (indenizatória e de gabinete). Já o contribuinte, este festeja. Por quanto tempo?

 

SUGESTÕES DE LEITURAleia aqui a reportagem “Deputados rejeitam reajuste da verba do gabinete”, assinada por Lucas Ferraz e Rodolfo Torres e publicada no site especializado Congresso em Foco.

Para saber mais sobre o que são “verbas de gabinete”, confira a reportagem “Aumento, só dos subsídios”, também publicada pelo CF e assinada por Eduardo Militão.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo