Arquivo

Economia Solidária (7). Em debate, também desafios e perspectivas para a Agricultura Familiar

15ª FEICOOP e na 4ª FEIRA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA DA AMÉRICA LATINA – SEMINÁRIOS INTERNACIONAIS E ATIVIDADES DE FORMAÇÃO 

 

De 11 a 13 de julho de 2008 – SANTA MARIA – RS – Brasil

 

01. SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE COMERCIALIZAÇÃO SOLIDÁRIA

– Desafios e perspectivas para a Agricultura Familiar e Economia Solidária no Brasil –

 

Local: Instituto São José – Rua Aron Fischmann, s/nº – Bairro Antonio Reis – Santa Maria – RS – Brasil

PERÍODO: 09, 10 e 11 de Julho de 2008

HORÁRIOS: 13:30 as 18:30 (1º. Dia) e 09:00 as 18:00 (2º. e 3º. Dias)

 

Participantes: Em média 70 pessoas, com a seguinte representação:

·              Entidades articuladoras do processo de debate nos estados (SDT, SENAES, FBES, FACES, ECOJUS, UNICAFES, UNISOL).

·              Bases de Serviço de Comercialização e entidades que atuam com Comércio Justo e Solidário no Brasil.

·              Comitê Temático Produção, Comercialização e Consumo do CNAES.

·              Consultores estaduais em dinamização econômica dos territórios SDT.

·              Centros de Formação na parceria com a SENAES.

·              Representação Governamental

 

Objetivos:

·              Deflagrar processo preparatório para a realização de Seminários Estaduais, Regionais e Nacional de Comercialização Solidária.

·              Ampliar o número de atores/atrizes envolvidos na condução dos processos de discussão nos estados / regiões, contribuindo para melhor mobilização, organização e direcionamento dessas atividades.

·              Aprofundar compreensões e articular proposições para o debate em torno da integração do conjunto de políticas de fomento a comercialização solidária, com foco no Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário – SNCJS e nos Sistemas Estaduais de Comercialização dos produtos da Agricultura Familiar e Economia Solidária – SECAFES.

 

Proposta Metodológica: Exposição dialogada de elementos para as discussões sobre política de fomento a comercialização solidária; grupos de trabalho e outros processos participativos para construção do processo de debates e articulações dos estados/regiões.

 

 

 

PROGRAMAÇÃO

 

DIA 09/07 (14 às 18h30m)

 

Horário

Conteúdo e Metodologia

Responsável

14hs

APRESENTAÇÃO DOS PARTICIPANTES – Mística de acolhida e apresentação

 

14hs30m

ABERTURA – Fala Institucional – 3 minutos para cada instituição: SDT, SENAES, FBES, FACES, UNICAFES, UNISOL, ECOJUS.

 

15hs

CONTEXTUALIZAÇÃO, OBJETIVOS E DIRETRIZES ORIENTADORAS AO PROCESSO DE INTEGRAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A COMERCIALIZAÇÃO SOLIDÁRIA: SNCJS, SECAFES E BASES DE SERVIÇOS.

·        Antecedentes que levaram a articulação intergovernamental e com os segmentos afins da sociedade civil – 10 minutos.

·        Contextualização do plano de ação montado na parceria SENAES, SDT, CTA, com foco na visibilidade do que se pretende em cada etapa – 10 minutos.

·        Exposição da proposta metodológica deste evento preparatório e construção de acordos/ajustes necessários – 10 minutos.

 

 

 

Haroldo (SENAES/MTE)

Vital

(SDT/MDA)

Regilane

(SDT/MDA)

15hs30m

Debate/ Reações:

·        Socialização das intencionalidades e envolvimento da sociedade civil no processo – 10 Minutos (05 minutos para cada reação).

·        Socialização de percepções e proposições dos participantes sobre o processo e construção de acordos necessários para a continuidade do processo e do evento – 40 minutos de debate.

 

UNICAFES E UNISOL

 

 

16hs30m

INTERVALO

 

16hs50m

PAINEL I – POTENCIALIDADES E DESAFIOS DA COMERCIALIZAÇÂO SOLIDÁRIA NO BRASIL.

Temas de aprofundamento:

a)      Bases conceituais da Economia Solidária, dos Empreendimentos Econômicos Solidários e as articulações com a agricultura familiar.

b)      Realidade da comercialização nos Empreendimentos Econômicos Solidários com base no Sistema de Informações em Economia Solidária – SIES.

c)      Potencialidades de articulações de sistemas, redes e bases de comercialização solidária em bases territoriais e estaduais.

 

Roberto (SENAES) e Jonas Bertucci (convidado)

17hs30m

DEBATE/ REAÇÕES/ APROFUNDAMENTOS

 

18hs20m

Orientações para continuidade do trabalho no dia seguinte

 

18hs30m

Encerramento

 

 

DIA 10/07 (8hs30m ás 18hs30m)

 

Horário

Conteúdo e Metodologia

Responsável

8hs30m

Orientações para o trabalho do dia – fio condutor do evento – 10 minutos

Quem faz?

8hs40m

 

PAINEL II – ACÚMULOS E DESAFIOS NAS PROPOSIÇÕES DE INSTRUMENTOS PARA A COMERCIALIAÇÃO SOLIDÁRIA: SNCJS, SECAFES E BASES DE SERVIÇO.

1. Introdução: resgate dos debates do Seminário Temático realizado em 2007 – 10 minutos

2. Exposições dialogadas:

a)      Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário no Brasil (SNCJS) – 20m

b)      Sistemas Estaduais de Comercialização da Agricultura Familiar e Economia Solidária – 20m

c)      Bases de Serviço de Apoio à Comercialização – 20m

3. Síntese provocativa para o debate: eixos integradores para ação articulada das políticas de comercialização solidária – 10 minutos

 

 

Vital (Moderador)

 

 

 

Haroldo (SENAES)

Valter Carvalho (CTA)

Regilane (SDT/MDA)

 

 

Vital (Moderador)

10hs40m

Intervalo

 

11hs00m

 Debate preliminar

·       Esclarecimentos e complementações para entendimento dos instrumentos/políticas apresentadas

 

Vital (Moderador)

12hs30m

Almoço

 

14hs30m

Orientações para Grupos de Trabalho

 

14hs40m

GRUPOS DE TRABALHO (03 grupos – 01 para cada instrumento de política)

1.      Quais as questões centrais a serem trabalhadas sobre cada um dos instrumentos/política (Grupo 1 – SECAFES; Grupo 2 – BSCs; Grupo 3 – SNCJ)? (identificar os debates estratégicos que deverão orientar os diálogos nos estados e regiões, independente de haver consenso sobre eles).

2.      Além desses instrumentos/políticas, quais as iniciativas da sociedade civil e as políticas públicas já existentes para promoção e fortalecimento da comercialização solidária no Brasil?

3.      Como essas outras iniciativas e políticas públicas podem ser articuladas ao SNCJS, SECAFES e Bases de Serviços para fortalecer a comercialização solidária? (estratégias de integração)

4.      Quais as diretrizes e orientações para formulação e execução de políticas públicas de fomento à comercialização solidária no Brasil?

 

 

17hs

Intervalo

 

17hs20m

Apresentação dos trabalhos em grupo, debate e aprofundamentos*

 

18hs20hs

Encaminhamentos para a continuidade do evento no dia seguinte

 

18hs30m

Encerramento

 

NOITE: COMISSÃO DE SÍNTESE DAS PROPOSIÇÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO

 

 

 

 

 

DIA 11/07 (8hs30m ás 18hs30m)

 

Horário

Conteúdo e Metodologia

Responsável

8hs30m

Apresentação da Síntese dos Trabalhos de Grupo do dia anterior e construção coletiva de acordos para a continuidade do processo.

 

9hs30m

Orientações para Grupos de Trabalho

 

 

GRUPOS DE TRABALHO POR REGIÃO – organizando o processo de formação e integração nas Regiões e Estados:

1.      Quais atores devem ser mobilizados para participar desse debate nos estados e regiões? (participantes)

2.      Qual o formato dos eventos regionais e estaduais? (programação)

3.      Em qual período é possível a realização dos eventos? (cronograma)

4.      Como será feita a organização e a mobilização dos eventos? (constituição de comissões de trabalho por região e por estado).

5.      Como deverá ser realizado o diálogo entre as comissões (regionais e estaduais) e a coordenação nacional do processo para viabilizar os eventos de forma integrada?

 

10hs30m

Intervalo e continuidade dos grupos

 

11hs30m

Apresentação dos resultados do trabalho em grupos por região.

 

12hs30m

Almoço

 

14hs30m

Construção coletiva de sínteses para o processo

 

15hs30m

Encaminhamentos

 

16hs

Encerramento

 

Tarde / Noite

Participação nas atividades da Feira de Santa Maria

 

 

 

 

 

…(continua)…

 

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo