EstadoHistóriaMemória

FARRAPOS. Rogério Koff, gaudério urbano que gosta de rock mas preza o Rio Grande

 “…Quanto ao vinte de setembro, trata-se de uma das maiores festas populares do país. Só perde para o carnaval, que não suporto, apesar de ser uma paixão nacional. O Dia do Gaúcho, como batizamos a data, entretanto, é momento impar de afirmação de uma identidade regional. Somos reconhecidos em todos os cantos do país como defensores apaixonados de nossas tradições. Cantamos o Hino Rio-Grandense em nossos momentos mais importantes, seja na Semana da Pátria, formaturas ou nos estádios de futebol. Em qual Estado isto acontece? Quem mais sabe de cor a letra do seu hino?

No futebol, somos diferentes e unidos, como as duas faces da mesma moeda. Torcemos contra nosso maior adversário, mesmo sabendo que a grandeza de um foi construída na celebração desta rivalidade com o pólo oposto e vice versa. Somos assim mesmo, fiéis seguidores das nossas paixões, incapazes de ficar em cima do muro…..”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra da crônica “Coisas do Sul”, de Rogério Koff, colaborador semanal deste sítio. Koff é professor do Curso de  Jornalismo da UFSM e Doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ. O texto foi postado há instantes, na seção “Artigos”!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo