HistóriaMemóriaSanta Maria

MEMÓRIA E ESQUECIMENTO. Luciano Ribas gostaria que nossos loucos ressuscitassem

“….de um senhor deficiente físico que mantinha seu “ponto” em frente à antiga Livraria Evangélica, na Rua do Acampamento, e que repetia uma frase que nunca compreendi; do Crocante, magro e ágil, dançando nas manifestações estudantis dos anos 80. Todos pouco lembrados hoje, certamente muito esquecidos em vida mas que, talvez, perdurem mais do que a maioria de nós, pessoas bem integradas à sociedade de consumo, caso alguém resolva contar suas histórias…

…Hoje tenho a sensação de que Santa Maria possui menos “loucos” por suas ruas: temos o Bozó, o Piolho e mais dois ou três, quando muito. Também sinto que meus filhos terão muito menos do que lembrar sobre as ruas santa-marienses, simplesmente porque elas se tornaram, muito no nosso imaginário e um tanto no seu dia-a-dia, espaços selvagens e perigosos. E isso me assusta…

… Gostaria que nossos loucos ressuscitassem, trazendo junto sua poesia torta e tempos menos duros, onde manifestações, praças e ruas nas quais crianças pudessem andar ainda fossem possíveis…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “Memória e esquecimento””, de Luciano Ribas, colaborador semanal deste sítio. Ele foi postado há instantes, na seção “Artigos”. Boa leitura!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

13 Comentários

  1. Prezado Bieri, concordo com os demais quando ficam pasmos pelo teu comentário. Primeiro porque o Luciano Ribas não deve ter orgulho daqueles tempos de Ditadura Militar. Também me espanta esteu comentário pois, apesar de saber que teu pai era alto escalão militar, não tem sentido para alguém que em outros artigos apresentou um pensamento político muito mais inteligente. Mas se analisarmos que tu confessou que apoiou o Schirmer nas eleições, mas que também os acusa de não terem feito nada ainda, deixando claro sua indignação com o atual governo, eu realmente não entendo mais nada. Vou usar a expressão do Luciano e dizer que antes de dormir vou “fumar um boa noite”.

  2. Para o “distinto e bastante distraído” Ricardo Bieri.
    Pelo que consta e a História, nunca o Brasil foi tão entregue ao capital estrangeiro, como no Governo do Fernando Henrique Cardoso do PSDB.
    Eis uns exemplos, apenas!
    – Vale do Rio Doce
    – Meios de Comunicação
    – Ferrovias
    – Parte da Petrobrás
    – etc…
    Em tempo:
    É pena que o “distinto” não tenha tido a sensibilidade de perceber a beleza do texto do Luciano Ribas e tenha se fixado na superfície dos que se apegam apenas ao “ranço político”, que nada contribuí para o crescimento do país, muito antes, pelo contrário.

  3. Luciano muito bonito o que escreves. Ë de sua alma com certeza.Só a loucura de uma alma é capaz de perceber na loucura de outros a poesia. Deveriamos ser mais loucos, deixar de seremos hipócritas e saber que na loucura está a essência da vida. Vida louca, louca vida… me lembro do Crocante o estudante. Falei com ele, ou tentei falar em algumas oportunidades. O mudinho da igreja era terrivel..mas era isso, terriveis, mas não ofereciam perigo nenhum. Diferente de alguns “normais” de hoje. Mais uma vez parabéns Luciano por essa “loucura”de pensar nos loucos.

  4. Cacetete no lombo e tortura psicológica podem deixar uma série de sentimentos, menos saudade e nostalgia, meu caro Bieri. E chega de idéia fixa.

  5. Luciano!
    Essa leitura destravou muita das minhas lembranças, julgadas até, esquecidas na minha memória…
    Surpresa, eu percebi, que todas elas estão bem vivas, coloridas ainda!
    O Mudinho da Catedral era demais…
    Toda vez que saia do Santanna e mais tarde do Maneco, passava pela frente da Igreja e por mais que pensasse em não dar bola para ele, acaba de um modo ou outro, rindo ou correndo, pois sempre ele corria com aquela espécie de cajado, atrás da criançada que passava por aquele lugar.
    Tinha vezes que ao correr, ele perdia aquele quepe cor de caqui que usava sempre…
    Só assim ele estancava a corrida.
    Agradeço por essa lembrança!

  6. Talves; mesmo que esta não tenha sido sua intenção,…talves vc sinta saudades dos áureos tempos do “Regime Militar”, dos anos de 1960 e 1970,…em que ainda tinhamos o ORGULHO de sermos brasileiros, tinhamos SEGURANÇA nas ruas (podiamos caminhar nas ruas e nos reunirmos em frente as casas com a família e amigos, sem sermos assaltados e molestados), tinhamos EDUCAÇÃO de qualidade e os professores eram RESPEITADOS e VALORIZADOS,…tinhamos ITAIPU, EMBRAER, ITA, EMBRATEL, PETROBRAS (Realmente brasileira),…tinhamos a ENGESA, INBEL a a nossa VARIG (ORGULHO dos gaúchos e brasileiros),…hoje, com este governo (PT) corrupto e entreguista,…não temos NADA! Talvez, seja disso que vc sinta SAUDADES,…do nosso “Orgulho Nacional” a muito perdido! (NOTA DO EDITOR: desculpa, amigo Ricardo, mas… você tem certeeeeza que leu o artigo?!)

  7. Eu também gostaria que nossos “loucos” ressuscitassem Luciano;…e assim como vc afirma no texto: “…Gostaria que nossos loucos ressuscitassem, trazendo junto sua poesia torta e tempos menos duros, onde manifestações, praças e ruas nas quais crianças pudessem andar ainda fossem possíveis…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo