EconomiaNegócios

NEGÓCIOS. Carlos Costabeber, a empresa familiar e a chegada dos filhos & cia

“…E essa foi a razão principal para o triste fim da maioria das empresas de Santa Maria daquela época: faltaram sucessores para “tocar o barco”. Lembro de uma grande empresa, com bonita loja no Calçadão, que sucumbiu porque nenhum dos nove sucessores desejou dar continuidade ao negócio daquela casa.

Mas, com o avanço do tempo, as coisas começaram a mudar.

Aos poucos, a gurizada foi perdendo o encanto pelo trabalho liberal, até porque o mercado começou a ficar saturado de bons profissionais.
Assim, de uns 15/20 anos para cá, o tema “sucessão” voltou a ganhar importância nas discussões familiares…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “Empresa Familiar (3): a chegada dos filhos & cia”, do colaborador semanal deste site, Carlos Costabeber. Graduado em Administração e Ciências Contábeis pela UFSM (instituição da qual é professor aposentado), com mestrado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, com especialização em Qualidade Total no Japão e Estados Unidos. Presidiu a Cacism, a Câmara de Dirigentes Lojistas e a Associação Brasileira de Distribuidores Ford. É diretor da Superauto e do Consórcio Conesul.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo