AgronegócioAssembleiaPartidos

AGRICULTURA. Deputados do PP e orizícolas vão intimar Tarso a ajudar o setor

Uma série de reivindicações. Esse o saldo principal de audiência pública acontecida hoje em Itaqui, com a presença de arrozeiros e deputados do Partido Progressista, inclusive o santiaguense Chicão Gorski. O resultado do encontro vem no relato da assessoria do parlamentar. O texto é assinado por Vicente Romano. Confira:

Arrozeiros querem que Tarso Genro assuma reivindicações do setor

Representantes dos arrozeiros, prefeitos da Fronteira Oeste e deputados do PP pretendem se encontrar na próxima semana com o Governador do Estado, Tarso Genro e com o secretário de Agricultura, Luis Fernando Mainardi, para pedir às autoridades gaúchas que capitaneiem as reivindicações do setor, que se encontra em mais uma grave crise. Atualmente, o cereal está sendo comercializado a R$ 18,00 a saca, bem abaixo do valor de produção. A reunião com o Governador Tarso Genro é uma das três medidas aprovadas na Audiência Pública realizada na manhã de hoje (15), na Câmara de Vereadores de Itaqui. Presentes no encontro os deputados estaduais Frederico Antunes e Chicão Gorski, e o deputado federal Jerônimo Goergen, todos do PP, além de representantes da Associação dos Arrozeiros e Sindicato Rural de Itaqui, Maçambará e Alegrete, da FARSUL e de lideranças da Fronteira Oeste.

Segundo o deputado Frederico Antunes, as medidas anunciadas até agora pelo Governo Federal para resolver o problema não surtiram efeitos e a crise do setor permanece e se agrava. “Precisamos que o Secretário da Agricultura, e que o Governador Tarso Genro, estejam à frente desse processo reivindicatório e levem até a presidente Dilma a bandeira do arroz gaúcho”, explicou o parlamentar. Para o presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembleia Legislativa, deputado Chicão Gorski, a situação do arroz no Rio Grande do Sul exige que o governo federal cumpra com o que foi acertado com o setor e vá mais além. “Medidas paliativas não adiantam mais. Precisamos manter a mobilização até que o preço correto do produto seja recuperado”. Gorski anunciou, ainda, a realização de outra Audiência Pública sobre o tema no dia 25 na Assembleia Legislativa.

Outras medidas aprovadas no encontro são: a solicitação da proibição de entrada no país de arroz proveniente dos países do Mercosul por pelo menos seis meses e o cumprimento da resolução que dá garantia de preços mínimo para o produto, em torno de R$ 24,00 a saca.” 

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo