CidadaniaMinistério PúblicoSegurança

ANÁLISE. Adede y Castro, o auxílio reclusão e as bobagens ditas sobre o benefício

Tenho lido e, especialmente, ouvido – inclusive na mídia eletrônica da boca do monte – um balaio de bobagens, num verdadeiro exercício de desinformação, acerca do benefício previdenciário chamado “auxílio reclusão”. Agora, semana passada, até um senador andou se manifestando e… falando asneiras também.

Pois bem. Quem melhor explica isso tudo, e opina com bastante qualidade a respeito, é o Promotor de Justiça e Escritor João Marcos Adede y Castro. Confira o que ele escreve. Ah, os grifos são dele. A seguir:

 “Chicote no senador

Quando alguém quer aparecer, tem dois caminhos. O primeiro, trabalhar muito durante muitos anos, fazer um esforço danado para aprender muitas coisas e policiar-se muito não só para ser honesto, mas também para mostrar a todos como é honesto. Ou seja, dá um trabalho medonho!

O segundo caminho, muito mais cômodo, é ser suplente de um senador com histórico criminoso conhecido nacionalmente e, durante a licença deste, fazer um discurso defendendo que o Estado, ao invés de pagar auxílio reclusão aos familiares do preso, use o chicote contra este.

E, depois de uma rematada bobagem como esta, virar notícia.

Não sou especialista em direito previdenciário, mas basta ler a Lei 8.213/91, que trata do Plano de Benefícios da Previdência Social para descobrir que o auxílio reclusão não é um presente que o governo dá ao preso, mas o pagamento de um seguro aos dependentes do segurado preso.

Ou seja, o cidadão, honesto ou não, contribui para a Previdência e, na eventualidade de prisão, seus familiares, e não ele, recebem aquilo para o qual ele contribuiu…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

8 Comentários

  1. Bom Pra se ter uma sociedade mais justa comece fechando o senado,em sequida obrigue os deputados a reformarem o código civíl e criminal adotando pessadas punições aos corruptos ou então meu amigo tamos ferrado…A certeza da impunidade é o que formenta este país corrupto e desumano chamado Brazil com Z pq somos um país estrangeiro

  2. Vc escreveu aquilo que penso….acho que o promotor explicou algo que mtos não sabia, inclusive eu, ganha só quem teve carteira assinada, só esqueceu de dizer que é enquanto estiver preso, bem isso é uma coisa a outra é o que vc fala que ficou desempregado. Este recebe 1 salário mínimo por 6 meses, É SÓ 6 MESES. VEja se o crime for de assasinato ou pior latrocínio fica 10 anos preso são 10 anos que a família recebe…QUE DIFERENÇA hem.
    Lembro uma vez que uma senhor mto pobre me disse que estava ficando dificil viver e que o melhor era ensinar os filhos a roubar porque enquanto estivessem presos teriam comida e roupas.Hehehehe

  3. @Jaci Borreau
    Pimenta nos olhos dos outros é refresco, não é? Não desejo mal para ninguém, mas também sei que ninguém está livre de cair preso, culpado ou não. Já pensou nisto? Depois, de uma vez por todas, só recebe o auxílio quem paga por ele, ou seja, é UM SEGURO, quando o governo paga está apenas retribuindo aquilo que foi contribuído. É muito fácil dizer que TODOS que estão presos são vagabundos, mas nem sempre é verdade, mesmo que possa ser a maioria. Pensa nisto!

  4. Elucidativo o texto do Dr. Adede y Castro. Já ouvi um sem número de bobagens e de demagogias a respeito do tema e especialmente sobre o auxílio reclusão, que nada mais que o cumprimento da legislação previdenciária do país existente desde a década de 70. Parabéns a ele.

  5. Eu queria entender este auxilio.
    Digamos que duas pessoas contribuam pelo mesmo tempo.
    “A” comete um crime, um roubo em uma loja. Por causa deste roubo a empresa corte gasto e demite “B”.
    “A” é preso e condenado a 24 meses. “B” é demitido, busca emprego e apela para o seguro-desemprego.
    Por quanto tempo os dependentes de “A” receberão auxilio? Enquanto seu pai PAGA por um CRIME. Enquanto seu pai tem alimentação mantida pelo estado.
    Por quanto tempo “B” e sua familia receberão o seguro-desemprego, seguro que não queria, pois gostava de trabalhar e um CONTRIBUINTE “A” o fez perder o emprego, pois vandalizou uma loja, roubou e gastou dinheiro de trabalho de todo um alfabeto…
    Sou contra os cascudos, as chicotadas, mas SUSTENTAR vagabundo: Não! Preso tem que trabalhar para comer e se sobrar algum, manda pra familia.

  6. Parte Final do texto está perfeita, vale a pena ser lida umas quantas vezes. É o meu pensamento!

    “Não tenho uma solução mágica para a criminalidade, pois não existe mágica para resolver problemas sociais. Tanto isto é verdade que mesmo nos países que adotam a pena de morte, e não apenas o açoitamento de presos, os delitos graves continuam acontecendo, todo dia, toda hora.
    A criminalidade, que nada mais é do que praticar um ato humano descrito pela lei como crime, faz parte da natureza do homem e, assim, sempre vai existir.
    O que podemos fazer é recriar a sociedade em bases mais justas, mais organizada e fundamentada em políticas públicas sérias e permanentes.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo