CidadaniaMeio AmbientePrefeitura

AMBIENTE. Adede y Castro, o Parque do Morro e a boa ideia que pode dar errado

A propósito do Parque do Morro, proposta a ser implantada pela prefeitura na zona norte da cidade, o sítio recebeu artigo do Promotor de Justiça aposentado, escritor e professor universitário João Marcos Adede y Castro. Segue a íntegra:

Parque do Morro – uma boa ideia que pode dar errado

Através da imprensa e, ainda, sem conhecer os detalhes, tomamos conhecimento da compra de uma área de 156 ha, pelo Município de Santa Maria, para implantação de um parque municipal, onde conviveriam atividades de lazer e esportes radicais, no Bairro Campestre Menino Deus.

Durante anos, no exercício da atividade de Promotor de Justiça, recebi reclamações de moradores daquela região de atividades trilhas com motos que destruíam a vegetação, espantavam os pássaros e, por evidente, causavam degradação ambiental com a realização de fogueiras e deposito de lixo.

Apesar de todos os esforços do Ministério Público e da Polícia Ambiental nunca foi possível flagrar esta atividade degradadora, mas inúmeras pessoas atestaram que ela era corriqueira.

Não se trata de “detonar” a ideia, que é excelente, uma vez que Santa Maria carece de áreas de lazer, mas colaborar com o Município para que se evitem danos ao meio ambiente que, em geral, não são recuperados.

Lembrem-se que nas proximidades existe uma Reserva Biológica, sob a administração da Corsan, com dezenas de moradores e um deles ocupa nada menos que duzentos dos quase seiscentos hectares com uma lavoura de soja, quando a área seria uma unidade de conservação integral, ou seja, fechada para moradia, criação de gado, retirada de pedras e outras atividades degradantes.

No entanto, lá moram dezenas de pessoas, que plantam, cortam árvores, retiram pedras que vendem para prefeituras da região, botam fogo, ou seja, um total descontrole. Um bem ambiental fantástico que quase ninguém conhece e que pode ser alcançado a pé, sem nenhum controle e proteção!

Como Promotor de Justiça ingressei com ação contra a Corsan há alguns anos, para que a ré tomasse providências de proteger efetivamente a área, retirando e realocando os moradores, construindo barreiras ao acesso e estabelecendo sistemas eficientes de vigilância. Até agora, nada.

Se for convidado pelo Poder Público a opinar, o que já estou fazendo agora sem convite, podem ter certeza que apoiarei a ideia, mas como cidadão farei, inicialmente, a sugestão de que se estude com carinho a utilização apenas para atividades de lazer e estudos científicos, eliminando a possibilidade de esportes radicais que têm, ao longo dos anos, destruído aquela vegetação e poluído a mata.

Técnico do Ibama já disse, com propriedade, que aquele é um bioma 100% mata Atlântica, sendo incompatível seu uso para atividades que poluem.

Sei que sou um chato, mas fazer o quê, se esta é a lei?

Quanto ao mais, gostei da ideia e a apoio.

João Marcos Adede Y Castro

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

19 Comentários

  1. Gostaria de saber e acho que os contribuintes também ,de que forma se deu a negociação para a prefeitura adquirir esta área para o parque do morro ? quem era o proprietário ? e quanto custou ? atenção vereadores de oposição e MP vocês são nossos olhos na fiscalização da administração publica, queremos uma resposta .

  2. Não vou comentar sobre o projeto,mas sim sobre os absurdos que eu ouvi no programa de radio do prefeito no sabado passado, em sua cadeia radiofonica para propagandear seus feitos e ja fazer campanha ,mas até ai tudo bem se a lei permite, só que eu achei um atentado contra a nossa inteligencia o senhor prefeito afirmar que o dito parque do morro, que dispõe de 160 hectáres é maior que muitos países e maior que a maioria dos municipios gauchos .só um pouquinho seu prefeito .meeeeennnosss.se alguem duvida peça a gravação do programa do prefeito de sabado dia 14/01/ das 10 as 11 hs

  3. Pablo :
    Começou os do contra!!! Estava demorando e não me refiro ao João Marcos Adede Y Castro e sim a outros que sempre dão pitaco aqui.

    Tenho acompanhado nas redes sociais o trabalho do pessoal radicado em porto Alegre para criticar a proposta do Parque do Morro. Parecem um bando de hienas saboreando carniça. A baba escorre aos galões. Gente, li por aqui muitas opiniões e manifestações. Algumas pautadas pela coerência, em sinal de apoio ao projeto, contra a iniciativa, outras raivosas ou simplesmente desprovidas de conteúdo, apenas para atingir figuras públicas, independente de partido, oposição ou situação. Vou me basear na manifestação do promotor Adede y Castro e de um outro cidadão que por aqui postou: paraglider, vôo livre, paraquedismo, asa delta, cliclismo, escalada, rapel, trilhas ecológicas e outras modalidade que agora me faltam os nomes, não agridem a natureza. Pelo contrário. Seus praticantes são promotores de ações de preservação do meio ambiente. Mas vão falar de motocicletas. O projeto, segundo me consta e informou o senhor Fernando Floresta, da Fepam Regional, está sendo construído por muitas mãos, com o Escritório da cidade. Este projeto, após aprovado nas devidas instâncias, será submetido a um plano de manejo, que por sua vez, determinará onde de que forma será permitida a intervenção na área verde, seja para a instalação da infraestrutura de lazer, segurança, contemplação e até de trilhas. Ai vão dizer que o chefe do Ibama, o senhor Pereti, comentou que não é bem assim, que não pode isso e não pode aquilo… É Mata Atlântica, existe lei federal sobre isso. Existe lei para tudo, inclusive no que se refere à preservação do bioma. O que não pode é politizar a discussão, utilizar manifestações, como afirma o editor em suas intervenções pontuais, que não resultem em contribuição ao tema proposto. O Parque do Morro, pelo que se vislumbra, sairá do papel, numa discussão de como o projeto pode ser feito e não como ele não pode ser feito.

  4. Começou os do contra!!! Estava demorando e não me refiro ao João Marcos Adede Y Castro e sim a outros que sempre dão pitaco aqui.

  5. Jaci Borreau :

    empreendedor :

    andré :
    Mas sempre tem os do contra! Se surge uma área para um parque, já colocam chifre em cabeça de boi, bhá! Não cansam! O parque vai sair, doe a quem doer, e como vai ser? Bom, vai ser de acordo com a lei, o resto é falatório e bobagem.

    Faz parte. Daqui a pouco vão denunciar no site do Claudemir que a Prefeitura iniciou a poda da árvore de natal do Centro.

    Tem que DENUNCIAR que para colocar a árvore de PLASTICO cortaram uma árvore REAL.
    Achei a idéia do parque ótima, o medo é que vire local de uso exclusivo para motos… Os demais esportes, sem barulho, com pessoas envolvidas em proteção do ambiente, DEVEM ter seu espaço.
    Minha implicancia é com esta turma de moto, que já incomoda no centro e ainda quer assustar os passarinhos do morro…

    Já mudou o discurso. Isso

  6. empreendedor :

    andré :
    Mas sempre tem os do contra! Se surge uma área para um parque, já colocam chifre em cabeça de boi, bhá! Não cansam! O parque vai sair, doe a quem doer, e como vai ser? Bom, vai ser de acordo com a lei, o resto é falatório e bobagem.

    Faz parte. Daqui a pouco vão denunciar no site do Claudemir que a Prefeitura iniciou a poda da árvore de natal do Centro.

    Tem que DENUNCIAR que para colocar a árvore de PLASTICO cortaram uma árvore REAL.
    Achei a idéia do parque ótima, o medo é que vire local de uso exclusivo para motos… Os demais esportes, sem barulho, com pessoas envolvidas em proteção do ambiente, DEVEM ter seu espaço.
    Minha implicancia é com esta turma de moto, que já incomoda no centro e ainda quer assustar os passarinhos do morro…

  7. andré :
    Mas sempre tem os do contra! Se surge uma área para um parque, já colocam chifre em cabeça de boi, bhá! Não cansam! O parque vai sair, doe a quem doer, e como vai ser? Bom, vai ser de acordo com a lei, o resto é falatório e bobagem.

    Faz parte. Daqui a pouco vão denunciar no site do Claudemir que a Prefeitura iniciou a poda da árvore de natal do Centro.

  8. Jaci Borreau :
    Ouvi faz meia hora no Calçadão: o nome do parque vai ser o do nome do pai ou avô do Schirmer… dizem que no discurso lá encima ele citou um deles, falou que foi ecologista,,,,
    será?

    Teus comentários me lembram a situação de uma mulher humilde, de Alegrete que encontrei agora há pouco no Centro. Ela estava com um bebê de colo de um ano e pediu uma informação a um santa-mariense: queria saber onde ficava um consultório odontológico da Rua Tuiuti. O cidadão disse para a mãe com o bebê de colo que a rua ficava ao lado da Câmara de Vereadores. Resumo: mandou a coitada da mulher para o outro lado da cidade. Ou seja: quanto pior a impressão sobre a cidade melhor. Mas, este é um blog democrático e a tua opinião precisamos respeitar.

  9. Com todo o respeito, permito-me fazer uma observação: alguns esportes radicais poluem. Escaladas, rapel, montanhismo, paraglider, asa delta e montain bike são exemplos de esportes radicais que se integram ao meio ambiente. E geralmente esses praticantes são defensores da natureza, agentes que ajudam na preservação. É preciso diferenciar as modalidades para que não se cometam injustiças.

  10. Mas sempre tem os do contra! Se surge uma área para um parque, já colocam chifre em cabeça de boi, bhá! Não cansam! O parque vai sair, doe a quem doer, e como vai ser? Bom, vai ser de acordo com a lei, o resto é falatório e bobagem.

  11. Ouvi faz meia hora no Calçadão: o nome do parque vai ser o do nome do pai ou avô do Schirmer… dizem que no discurso lá encima ele citou um deles, falou que foi ecologista,,,,
    será?

  12. Só para dizer, não assisti a entrevista do tal Floresta, baseio a opinião no que o Empreendedor contou. Já do Peretti, do Ibama, eu li a opinião dele na Razão e Diário.

  13. empreendedor :Ouvi mais a boca miúda de que o Ibama seria contra a criação do Parque do Morro por questões ambientais. Não poderia ter trilha. Não poderia subir carro ou moto. Não posso acreditar. Aguardei a repercussão da visita a futura área do Parque do Morro na imprensa e o que vi foi uma postura coerente dos responsáveis por órgãos de proteção ambiental, como a Fepam e o próprio Ibama, lembrando que o local em questão, no Campestre Menino Deus, faz parte da Mata Atlântica, portanto, haveria restrições. Mas nada que comprometa a proposta apresentada, de um parque voltado à preservação do meio ambiente, com áreas de contemplação, trilhas ecológicas e para praticantes de atividades esportivas. O Sr. Fernando Floresta, em entrevista para a TV Santa Maria na segunda-feira, afirmara que a entidade trabalha junto com o Escritório da Cidade para que seja elaborado um bom projeto. Cita Floresta na entrevista, que será aplicado um plano de manejo, que determinaria os locais onde poderiam ser feitas trilhas, organizados pontos de contemplação da paisagem, para instalação de equipamentos e instrumentos de infraestrutura e segurança. Há década os santa-marienses visualizam a ocupação desordenada das encostas dos morros da cidade. Há décadas nada foi feito para impedir que isso continue ocorrendo. Temos exemplos de outras cidades que souberam explorar corretamente as suas riquezas naturais em benefício do bem estar e do lazer de suas populações. Está na hora da cidade acordar, se unir e dar um basta à política da discórdia, da informação plantada, que só prejudica àqueles que moram e acreditam na cidade. Vamos deixar que o Poder público, comunidade e órgãos ambientais formatem um projeto do qual no futuro possamos nos orgulhar e deixarmos de herança para nossos filhos.O resto, é balela.@Jaci Borreau

    Eu fiz um provocação, pois já tem GENTE se achando dona de espaço público. Tem gente DIZENDO, e foi publicado, que vai ter sede e pista.
    Li o que o cara do Ibama escreveu e pelo visto o da FEPAM confirmou. Acho que lá encima deveria ser área verde, mais de passeio a pé, com estacionamento, afinal os vovôs e vovós, e até uns titios mais gordos, poderiam subir. Isto de encher de motoqueiro eu não entendi.
    Pode ler no diário de ontem, não inventei. Só escrevi para que o Promotor, ex, saiba que tem gente de olho no Parque.
    Andei escutando no Calçadão que se a turma das motos quiser uma sede, que comprem, afinal se tem ggrana para a mmoto e gasolina, podem se juntar e comprar um terreninho.
    O parque podia ser mais para gente a pézito. Queria subir, me disseram ser vista linda. Pelas fotos se vê que tem paisagens legaiis.
    Que fique claro, sou conttra encher de moto o topo do morro. Concordo com o pessoal do Ibama e da Fepam.

  14. Ouvi mais a boca miúda de que o Ibama seria contra a criação do Parque do Morro por questões ambientais. Não poderia ter trilha. Não poderia subir carro ou moto. Não posso acreditar. Aguardei a repercussão da visita a futura área do Parque do Morro na imprensa e o que vi foi uma postura coerente dos responsáveis por órgãos de proteção ambiental, como a Fepam e o próprio Ibama, lembrando que o local em questão, no Campestre Menino Deus, faz parte da Mata Atlântica, portanto, haveria restrições. Mas nada que comprometa a proposta apresentada, de um parque voltado à preservação do meio ambiente, com áreas de contemplação, trilhas ecológicas e para praticantes de atividades esportivas. O Sr. Fernando Floresta, em entrevista para a TV Santa Maria na segunda-feira, afirmara que a entidade trabalha junto com o Escritório da Cidade para que seja elaborado um bom projeto. Cita Floresta na entrevista, que será aplicado um plano de manejo, que determinaria os locais onde poderiam ser feitas trilhas, organizados pontos de contemplação da paisagem, para instalação de equipamentos e instrumentos de infraestrutura e segurança. Há década os santa-marienses visualizam a ocupação desordenada das encostas dos morros da cidade. Há décadas nada foi feito para impedir que isso continue ocorrendo. Temos exemplos de outras cidades que souberam explorar corretamente as suas riquezas naturais em benefício do bem estar e do lazer de suas populações. Está na hora da cidade acordar, se unir e dar um basta à política da discórdia, da informação plantada, que só prejudica àqueles que moram e acreditam na cidade. Vamos deixar que o Poder público, comunidade e órgãos ambientais formatem um projeto do qual no futuro possamos nos orgulhar e deixarmos de herança para nossos filhos.O resto, é balela.@Jaci Borreau

  15. Eu li no Diàrio que um grupo de Trail vau ter sede e pista no parque. Tá no Diario, mas um cara do Ibama na Razao e Diario disse que nao, que as motos nao poderiam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo