EconomiaNegóciosPolíticaRegião

REGIÃO. Por fábrica de móveis, prefeita de Polêsine vai ao secretário estadual de Desenvolvimento. Fabiano acompanha

Reunião na capital: indústria para Polêsine

O objetivo era agilizar os trâmites burocráticos e permitir a instalação, o mais rapidamente possível, de uma indústria de móveis catarinense em São João do Polêsine. Para tanto, a prefeita daquela comuna, Denise Predebon Milanesi, foi ao encontro do secretário estadual de Desenvolvimento, Mauro Knijnik.

Quem acompanhou Denise foi o secretário de Justiça, Fabiano Pereira, que intermediou o encontro e de cuja assessoria de imprensa é o material a seguir, com foto de Juliana Lopes. Acompanhe:

Secretário Fabiano acompanha prefeita de Polêsine em reunião sobre fábrica

Intermediada pelo secretário da Justiça e dos Direitos Humanos, Fabiano Pereira, aconteceu na manhã desta quinta-feira (26) uma reunião da prefeita de São João do Polêsine, Denise Predebon Milanesi, com o secretário de Desenvolvimento e Promoção do Investimento, Mauro Knijnik. O encontro teve por objetivo agilizar os trâmites burocráticos para a instalação de uma empresa do ramo de móveis e colchões, com sede em Pinhalzinho/SC, em Polêsine. A fábrica aguarda por um financiamento do Banco Regional de Desenvolvimento (BRDE) para instalar a filial na cidade. 

Conforme a prefeita, a instalação da empresa é muito importante para a geração de empregos no município. “São João do Polêsine é um município especialmente agrícola e, como estamos enfrentando sérias dificuldades por conta dos efeitos climáticos, é importante trazermos mais indústrias”. E acrescentou: “A instalação dessa empresa irá fortalecer a economia do município e da região. Precisamos também conter o êxodo rural”.

 Na oportunidade, o gerente administrativo da fábrica Serpil, Rudi Paulo, realizou uma breve apresentação da empresa. Além de garantir que a Serpil já está com “tudo pronto” para instalar a filial em Polêsine, ele afirmou que há um grande interesse da empresa em vir para o Estado, uma vez que boa parte de seu faturamento vem de consumidores gaúchos. “Setenta por cento do faturamento da nossa empresa hoje, mesmo localizada em Santa Catarina, vem do Rio Grande do Sul, por isso temos grandes expectativas para nos colocarmos neste mercado. Apostamos na cidade e na região”, completou o gerente. 

Após tomar conhecimento do interesse da Serpil em se instalar na cidade da Quarta Colônia, Knijnik se colocou à disposição para auxiliar: “Vamos encontrar soluções e dar agilidade para vinda da empresa para São João do Polêsine. Queremos contribuir também com aquela região”. 

Presente à reunião, o secretário Fabiano reforçou a relevância da vinda da Serpil para Polêsine, oferecendo-se para trabalhar em parceria com a secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento do Estado para resolver os trâmites burocráticos. “Ressalto o quanto é importante para o desenvolvimento da cidade e da região a instalação desta empresa. Iremos acompanhar de perto a vinda dela e espero ir até lá, o mais breve possível para a inauguração”, destacou ele.

Participaram ainda do encontro, o secretário da Fazenda de São João do Polêsine, Danésio Teixeira de Medeiros, e o assessor parlamentar do secretário Fabiano, Ubirajá Falcão da Rocha.”

SIGA O SITÍO NO TWITTER

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo