Artigos

A política partidária sobrepondo até a rivalidade Grenal – por Anderson Santos e Dijair Brilhantes

Coluna Além das 4 linhas –  edição da semana de 28 de julho de 2012 – por Anderson Santos (editor) e Dijair Brilhantes

Na Argentina, no maior período de tensão entre os Kirchner e os grandes grupos midiáticos, era bem comum ver um K numa faixa das torcidas organizadas de clubes. No Brasil, é muito comum ver presidentes e dirigentes de clubes se candidatando e sendo eleitos, mas romper a barreira de uma das maiores rivalidades do país é impensável. Quer dizer, era.

O candidato a prefeito de Porto Alegre, José Fortunatti (PDT) conseguiu unir as torcidas de Grêmio e Internacional por uma mesma causa, segundo ele, “pelo amor a Porto Alegre”. Infelizmente não se trata de uma ação social, e nem na busca de melhorias para a cidade, e sim em torno de sua candidatura à prefeitura da capital gaúcha.

Tudo começou no dia 18, antes da partida em que o Grêmio venceu o Sport, de virada, por 3 a 1. Na sede da Geral do Grêmio, maior torcida não organizada do clube, oficializou o apoio da mesma ao ganhar uma camisa e um cachecol, destacando que eles fazem a diferença. Os dirigentes da torcida teriam dito que o candidato ama a cidade do mesmo jeito que ele, conselheiro do time, ama a cidade (argh!).

Como se “só” isso não bastasse, o texto no site do candidato já dava a dica do que viria no dia 22, agora antes da vitória do Internacional por 4 a 1 contra o Atlético-GO, estreia de Fernandão como técnico colorado – isso mesmo, de diretor executivo a técnico, que não fritem outro ídolo!

No documento “Fortunati é 12”, a Camisa 12 do Internacional oficializou o apoio da torcida organizada colorada, que tem cerca de 600 membros, ao candidato que é conselheiro do Grêmio. Contradição? Para quem acompanha a política brasileira e suas idas e vindas, com Lula aparecendo ao lado de Paulo Maluf, nada é de se estranhar…

NO IMPASSE DA COPA

Causava-nos certa estranheza o posicionamento passivo do então prefeito durante o impasse envolvendo Internacional e Andrade Gutierrez nas obras do estádio Beira-Rio. Visivelmente, Fortunatti preferia o discurso ameno, parecia mesmo não querer se “queimar” com metade do Rio Grande do Sul, mesmo que isso pudesse ocasionar a perda da sede do mundial, semelhante o que ocorreu com a Copa das Confederações.

Para o “bem da cidade”, e vemos agora que também da sua candidatura, tudo acabou se resolvendo sem precisar de sua intervenção, quer dizer, imagina-se que não, pelo menos.

Mas é fato que esse apoio para a manutenção do Beira-Rio até onde se pôde como sede da Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 deve ter ajudado a “modificar” a cabeça dos torcedores colorados que acabaram por assinar o apoio ao candidato conselheiro do Grêmio.

Não que seja impossível um torcedor gremista votar num colorado e vice-versa, até mesmo porque política é bem maior que isso, ou deveria ser, mas imaginar que duas torcidas organizadas famosas apoiem o mesmo candidato, explicitamente torcedor de um dos clubes, é muito estranho para uma terra que preza a disputa Gre-Nal, do jornalismo esportivo às “flautas” do cotidiano.

O FUTEBOL NÃO MERECE ISSO

Esse é mais um exemplo que o futebol por ser evento que atrai massas, acaba sendo usado para fins pessoais. Usar as torcidas dos clubes para campanha política não é algo inovador, basta vermos que alguns presidentes de clubes brasileiros exercem também cargos públicos.

O que mais nos preocupa é saber exatamente o que o prefeito licenciado prometeu para estas agremiações em troca destes apoios? Caso eleito, o futuro prefeito ficará devendo favores para estas torcidas?

Não estamos aqui dizendo que estas agremiações estão sendo vítimas, e que estão sendo inocentes, mas que é uma mistura para lá de estranha, isso é. Afinal, como estas torcidas definiram que ele seria o candidato que apoiariam?

O temor destes articulistas com o apoio de ambas as torcidas é a influência que isso pode ocasionar. Na hora do eleitor escolher em quem votar, quantos deles poderão fazer a escolha por José Fortunati (não estamos aqui questionando se ele deve ou não ser o prefeito) unicamente por este receber o apoio das maiores agremiações dos dois clubes de maior torcida do estado?

Estas torcidas que carregam no seu símbolo o nome do clube ao qual pertencem, também estão se aproveitando da situação para promoverem-se. Quantos dos integrantes destas torcidas foram consultados para promoverem o apoio, este foi sugerido por quem?

Algumas perguntas que ficam no ar, e sabe-se lá quando teremos alguma resposta.

CANDIDATO DO CLUBE

Em Alagoas, o Centro Sportivo Alagoano (CSA), maior campeão estadual, resolveu definir os seus próprios candidatos nas próximas eleições municipais.

Segundo o Conselho Deliberativo, os candidatos “próximos” ao clube seriam chamados para um debate e após isso ficaria definido quem poderia ter sua imagem política ligada ao time com a maior e, talvez, mais apaixonada torcida alagoana.

Para quem já teve Fernando Collor de Mello, seu filho e seu primo como presidentes do clube, dentre outros políticos, parece-nos mais uma “oficialização” do que já ocorre desde os primórdios azulinos.

Enquanto isso, os torcedores cada vez mais têm que se acostumar a ter times bons apenas em anos eleitorais e a população alagoana aos piores índices sociais do país…

Não diremos aqui que futebol e política não devem andar juntos, mas que isso ocorra de forma realmente “transparente” e que gere benefícios reais à população. Com paixão não se brinca.

(Para quem quiser nos ajudar criticando e/ou sugerindo novas propostas e assuntos, entre em contato através dos e-mails andderson.santos@gmail.com e dijairalemdasquatrolinhas@gmail.com)

QUEM ESCREVE:

Anderson Santos é jornalista e mestrando em comunicação social na Unisinos (andderson.santos@gmail.com) e Dijair Brilhantes (dijairalemdasquatrolinhas@gmail.com) é estudante de jornalismo

Twitter da coluna: @alem_das4linhas

 

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo