EconomiaEconomia Solidária

ECONOMIA SOLIDÁRIA (14). Eventos oficialmente abertos. E Estado anuncia investimento de R$ 600 mil

Autoridades compareceram à abertura. Recursos estaduais serão investidos no Terminal

Por Maiquel Rosauro, da Assessoria de Imprensa do Projeto Esperança

 “Na cerimônia de abertura, governo do Estado anuncia investimento de R$ 600 mil

A abertura da 8ª Feira de Economia Solidária do Mercosul e 19ª Feira Estadual do Cooperativismo (Feicoop) reuniu dezenas de autoridades no Palco da Feira, na tarde desta sexta-feira. Os eventos ocorrem até domingo, no Centro de Referência em Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, em Santa Maria.

A cerimônia foi marcada pelo anúncio de investimento no local pelo governo do Estado. Participaram do ato o deputado federal Elvino Bohn Gass; o deputado estadual Valdeci Oliveira; o secretário estadual de Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sesampe), Maurício Dziedricki, que representou o governo do Estado; o secretário municipal de Infraestrutura e Serviços, Tubias Calil, que representou a Prefeitura Municipal de Santa Maria; o reitor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Felipe Müller; a coordenadora do Projeto Esperança/Cooesperança, irmã Lourdes Dill; o arcebispo de Santa Maria, Dom Hélio Rubert, entre outros.

O primeiro a se pronunciar foi Dom Hélio. Ele destacou que 2012 é o ano internacional das cooperativas e que também marca os 25 anos do Projeto Esperança/Cooesperança. O arcebispo também fez questão de dar as boas-vindas aos visitantes.

– A Feira é um espaço de articulação nacional e internacional. Santa Maria acolhe a todos, sintam-se em casa – declarou Dom Hélio.

A irmã Lourdes Dill, em seu pronunciamento, cobrou políticas públicas e apoio dos governantes com a Feira e os projetos de Economia Solidária.

– Queremos cada vez mais políticas públicas. Queremos o necessário para trabalhar com dignidade – ressaltou irmã Lourdes.

O secretário estadual de Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sesampe), Maurício Dziedricki, anunciou o investimento de R$ 600 mil para o Centro de Referência em Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter.

– O recurso financeiro será destinado para ampliação e qualificação da infraestrutura do local para as próximas edições da Feira – prometeu Dziedricki.

O representante da Prefeitura de Santa Maria, Tubias Calil, destacou a importância de Dom Ivo Lorscheiter para a Economia Solidária e assegurou que o Executivo Municipal é parceiro do Projeto Esperança/Cooesperança.

– Naquilo que for possível, a Prefeitura de Santa Maria irá contribuir – afirmou Calil.

Já o deputado Valdeci Oliveira disse que protocolou um Projeto de Lei na Assembleia Legislativa que insere a Feira de Economia Solidária do Mercosul no Calendário Oficial de Feiras do Rio Grande do Sul.

– Este é um passo importante para que possamos aportar recursos e apoio político à Feira de Economia Solidária – explicou Valdeci.

Informações atualizadas sobre a Feira

A expectativa do Projeto Esperança/Cooesperança, da Arquidiocese de Santa Maria, que promove o evento, é de um público recorde de 160 mil visitantes nos três dias de Feira. Ano passado, conforme a Brigada Militar, 151 mil pessoas estiveram presentes.

Para receber um público tão grande, a estrutura montada no Centro de Referência em Economia Solidária foi ampliada. Este ano, são 20 mil m² de área coberta, contra os 17 mil m² de 2011. O Colégio Estadual Irmão José Otão e os fundos do Parque da Medianeira também recebem atividades.

A Feira tem mais de 800 grupos de expositores provenientes de quatro continentes, 15 países (Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile, Peru, Equador, Nicarágua, Alemanha, República Tcheca, Bolívia, Brasil, Senegal, Estados Unidos e Portugal) e de praticamente todos os Estados brasileiros (mais de 430 municípios).

Os visitantes irão encontrar mais de 7 mil produtos, além de atividades culturais, ambientais, autogestionárias e educativas. Estarão presentes agricultores familiares, quilombolas, catadores, povos indígenas, artesãos, educadores, artistas e gestores públicos.

Há também o público que vem participar dos seminários e oficinas. São dezenas de eventos que ocorrem em paralelo e que se desenvolvem no Seminário São José e no Colégio Irmão José Otão.

Ou seja, além de ser um local de comercialização, a Feira é um espaço de trocas de ideias e experiências que são levadas de Santa Maria para o mundo. Este ano, também ocorrerá uma preparação para o 2º Fórum e 2ª Feira Mundial de Economia Solidária, que serão realizados entre os dias 11 e 14 de julho de 2013, em Santa Maria. Os eventos serão realizados juntos à Feira de Economia Solidária do Mercosul.

Promotores do evento

A Arquidiocese de Santa Maria, através do Projeto Esperança/Cooesperança, setor vinculado ao Banco da Esperança da Cáritas Arquidiocesana de Santa Maria e da Prefeitura Municipal de Santa Maria, conta com muitos apoiadores, entidades, movimentos sociais e pastorais sociais.

Patrocinadores

Sebrae Nacional, Petrobrás, Cáritas-RS, Sicredi, Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes) do Governo Federal, Fundação Banco do Brasil, Governo do Estado do Rio Grande do Sul (através da Sesampe, SDR, Irga, BDRE e Banrisul) e Prefeitura Municipal com apoio e serviços de várias secretarias.

Apoiadores

Saema, Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FBES), Cáritas Brasileira, Instituto Marista de Solidariedade (IMS), Colégio Estadual Irmão José Otão, Paróquia da Medianeira, todas as entidades que emprestam algum material para organizar os eventos, veículos de comunicação de Santa Maria e outros lugares, Estados brasileiros e países do Mercosul, Movimentos e Pastorais sociais, UFSM, Unifra, consumidores e muitas outras entidades e organizações.”

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo