EsportePolítica

ALÉM DAS 4 LINHAS. Diferenças pra lá de olímpicas entre o futuro dos “futebóis” masculino e feminino

“A derrota para a França na Copa do Mundo de 1998 serviu como um divisor de águas para a equipe nacional de futebol masculino. Reerguida a história canarinha nos Estados Unidos, em 1994, rapidamente virou-se para uma “SeleNike”, vendida, com direito a Comissão Parlamentar de Inquérito sobre uma possível venda do título mundial para os franceses.

O que se descobriu, ao final do processo, foi que o problema era uma estrutura de comando viciada, com forte representação na entidade internacional, através de nomes como Ricardo Teixeira e João Havelange, mas nada foi feito para averiguar os casos. O Brasil venceu outro mundial em 2002 e falhou nos dois últimos. As desculpas se multiplicam, mas a mudança estrutural segue sem ocorrer, mesmo com a saída de RT. O “tão esperado ouro” não veio com uma equipe para lá de favorita, base do time “adulto”, e serviu como mais um capítulo para tirar o foco do problema maior do nosso (?) futebol: a direção…”

Esse é apenas um trecho (clique AQUI para ler a íntegra) da coluna “Além das 4 linhas”, desta semana. A autoria do texto é de Anderson Santos (que edita o material) e Dijair Brilhantes. Eles fazem reflexões sobre a mídia, entre outros temas.  Neste caso, o enfoque é o esporte e o que isso significa para os brasileiros. A coluna foi postada agora há pouquinho, na seção “Artigos”. Boa leitura!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo