CidadaniaPolíticaSegurança

VIOLÊNCIA. Governo de São Paulo “não caiu” até agora porque só há pobres e policiais entre os mortos

São, neste ano de 2012, nada menos que 919 casos de homicídios. 982 vítimas já foram contabilizadas. Se isso não é grave, o que será. Ah, se está falando apenas na cidade de São Paulo. O interessante é que esses mortos são pobres.

É aparte principal da explicação para o fato de “ainda não ter caído” o governo paulista. A elite se considera a salvo. E quando gente dela começar a morrer? Pooois é. Ah, atenção, a análise não é deste editor (que, porém, não discorda dela), mas do jurista e professor paulista

Luiz Flávio Gomes. Ele, com a colaboração de Mariana Cury Bunduky, publicou artigo, originalmente nos sítios especializados Consultor Jurídico e Espaço Vital, de onde o sítio extraiu o trecho a seguir:

Por que ainda não caiu o governo de São Paulo?

grave crise na segurança pública em São Paulo, ampliada pelo sensacionalismo midiático, que naturalmente está dramatizando a guerra entre o PCC e a PM, já poderia ter derrubado o governo ou, no mínimo, o secretário da Segurança Pública. E por que isso ainda não aconteceu? Porque, por ora, a elite não está sendo afetada diretamente pelos toques de recolher, pelas mortes e pelos projéteis disparados nas cabeças das vítimas. 

Mais claramente: por enquanto só estão morrendo pobres e policiais, sendo certo que estes, pelo que ganham do Estado, também são pobres. 

Enquanto o palco da desgraça diária seja a periferia e a carnificina atinja corpos das camadas mais baixas, o governo consegue se sustentar. Do contrário, a Queda da Bastilha (de 14.07.1789) já teria acontecido.
De acordo com a última análise do Instituto Sou da Paz, fundada nos dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo, comparando-se o terceiro trimestre deste ano com o de 2011, houve realmente um crescimento no número de homicídios da capital; porém, a maioria das ocorrências concentra-se em bairros periféricos, sobretudo na zona sul da cidade…”

PARA LER A ÍNTEGRA, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

3 Comentários

  1. O engraçado nisso tudo é que São Paulo, com população maior, tem índice menor de homicídos por 100 mil habitantes que o Rio de Janeiro, com suas UPPs e tudo o mais. Mais engraçado ainda é que a tal de “grande mídia”, não pega no pé do governo do Rio de Janeiro (PMDB) e explora ao máximo o aumento da criminalidade paulista (governo tucano). Sei não, mas isso me cheira à uma orquestrada ação de descontrução da administração Alckmin, já preparando terreno para 2014, para o sonho de consumo petista que é o governo paulista.E ainda falam da imprensa!

  2. Aqui tambem mais um Governador assinou sua sentença por causa da segurança, com este pedido de soltura de tanto preso e o Gov.nem ai tambem vai ser mandado embora, graças a Deus.

  3. É como diz Max Gonzaga na sua música “Classe Média”:
    “… Mas eu “tô nem ai”
    Se o traficante é quem manda na favela
    Eu não “tô nem aqui”
    Se morre gente ou tem enchente em itaquera

    Mas se o assalto é em moema,
    O assassinato é no “jardins”,
    E a filha do executivo é estuprada até o fim
    Aí a mídia manifesta a sua opinião regressa
    De implantar pena de morte, ou reduzir a idade penal …”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo