CidadaniaPolítica

PROTESTO. Vitor Hugo do Amaral Ferreira e a falta, ainda, de uma identidade “revolucionária-propositiva”

“…Da rua, ouvia-se um movimento legítimo (falo da maioria organizada e apta a protestar, e não da minoria que depreda e vandaliza). Os protestos já somam bem mais que os R$ 0,20 iniciais. São outras as questões que motivam, estamos diante de reivindicações por mais qualidade de vida, isso passa pelo custo do transporte, pela construção de metrôs, corredores de ônibus, qualidade.

Acredito que depois das Diretas Já, do Impeachment do Presidente Collor, estamos presenciando uma nova tomada das ruas em proporções inimagináveis. Creio que mesmo os organizadores não tinham noção exata da proporção. A organização por redes sociais mobilizaram as principais cidades do país e agora replicam ações no interior…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “A revolução dos centavos”, de Vitor Hugo do Amaral Ferreira, colaborador semanal deste sítio. Advogado formado em Direito pela Unifra, com especialização (na área de Violência Doméstica contra Criança e Adolescente)  na USP e  mestrado em Integração Latino-Americana, Amaral Ferreira é também, entre outras atividades, coordenador do Procon/Santa Maria.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo