Santa MariaTragédia

TRAGÉDIA. Luiz Carlos Nascimento da Rosa, os 242 mortos da Kiss, a decisão da Justiça e o clamor social

“…Todos estes fatos, por serem trágicos, não devem ser apagados de nossa memória e, de forma alguma, eliminados de nossa História. As mães da “Praça de Maio” até hoje se reúnem para saber do paradeiro de seus filhos e pedirem justiça. Incansáveis essas lindas, generosas e amorosas mães!

No que tange ao episódio trágico da Boate Kiss, que abalou nossa cidade, nosso estado, o país e o mundo, enquanto cidadãos estamos estupefatos com a decisão de a justiça soltar os réus sob o pífio argumento de não haver mais “clamor popular”. Será que os agentes responsáveis pela produção da justiça estão se revestindo de deidades para conhecer, avaliar, julgar e decidir sobre nossas dores…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do texto “De Tróia à Kiss”,  escrito por Luiz Carlos Nascimento da Rosa, professor do Departamento de Metodologia do Ensino do Centro de Educação da UFSM. O texto foi postado há instantes, na seção “Artigos”. Boa leitura!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Vejam como a historia se repete la no Ria mataram aquela juiza, prenderam os culpados e não deram abeas, para ninguém, claro que não deveriam dar, mais o que vejo é dois pesos e duas medidas, quando e no meu os rigores da Lei quando não é os previlégios da Lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo