MEMÓRIA. Velório de Augusto Vinadé vai até 5 da tarde. Depois, corpo será levado à capital e cremado

MEMÓRIA. Velório de Augusto Vinadé vai até 5 da tarde. Depois, corpo será levado à capital e cremado - vinadé1

Antonio Augusto Vinadé também foi sub-delegado regional do Ministério do Trabalho

O editor conversou agora há pouco com familiares de Autusto Sotero Vinadé, cujo corpo está sendo velado na capela 1 das salas funerárias contíguas ao Hospital de Caridade, na rua Floriano Peixoto. Eles confirmaram que o velório deverá seguir até 5 da tarde. Depois, o corpo será transferido para Porto Alegre, onde será cremado.

A seguir, com as devidas correções (sugeridas por leitores e também informações adicionais obtidas pelo editor) a nota publicada no final da noite passada, aqui mesmo. Confira:

“Morreu na noite deste domingo, na sua residência em Santa Maria, o advogado e auditor fiscal aposentado do Ministério do Trabalho, Augusto Sotero Vinadé.

Muito conhecido na cidade, sobretudo por sua atividade e militância, era um sujeito de rara inteligência, com muitas histórias para contar, inclusive do periodo da ditadura – a qual se opunha e, inclusive por isso, era muito visado.

Não escondia jamais o que pensava e, como me contou há pouco o Antonio Candido Ribeiro (o Candinho), que com ele conviveu no curso de Direito, Vinadé foi um dos mentores principais de um jornalzinho, chamado Piripiri, que fez muito sucesso no meio universitário – inclusive por suas posições.

Estamos falando dos anos 60 e 70, época em que respirar era complicado, quanto mais falar e, ainda pior, deixar clara sua posição política, especialmente se contrária ao regime de força.

Vinadé, já aposentado, fazia praticamente sozinho um jornal quase artesanal, “O Ponto”, a partir do prédio em que morava, na rua José Bonifácio e que era distribuído aos condôminos, familiares e amigos. Ele completaria 70 anos em 30 de novembro e deixa a esposa Lilian, as filhas BibianaJuliana e Tatiana, além de quatro netos.

EM TEMPO: a foto que ilustra esta nota foi feita em junho de 2006, durante gravação do extinto programa Claudemir Pereira Café, do qual Vinadé participou.



1 comentário

  1. João Gilberto Lucas Coelho

    Mais uma grande perda. Fomos companheiros de militância na juventude. Vinadé teve sempre caráter honesto e justo, coerência com ideais e muita firmeza ao se posicionar. E assim minha geração vai perdendo tantos bons quadros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *