CinemaCultura

CINEMA. Bianca Zasso, “Duas Vidas” as suas duas refilmagens. Uma, sucesso absoluto. Mas a outra…

…O resultado? Sucesso de público e crítica. Tanto sucesso que, em 1957, McCarey refilmou seu próprio roteiro, sob o título de Tarde demais para esquecer. Para protagonistas, foram chamados os dois maiores astros da época: Deborah Kerr como Terry e Cary Grant como seu grande amor, rebatizado de Nickie Ferrante. Mais uma bilheteria gorda e quatro indicações ao Oscar, incluindo melhor roteiro.

Tanto em Duas Vidas como em Tarde demais para esquecer, o que cativa o espectador, além do drama vivido pelo casal central, são os diálogos. Por sua experiência na direção de comédias, McCarey deixava seus atores improvisarem, o que tornava as cenas ainda mais verdadeiras. Em ambos os filmes, o duplo sentido está presente em quase todas as falas, alternativa comum num tempo onde o Código Hays ainda imperava e não permitia temas como sexo e adultério nos filmes americanos…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra de “Um roteiro para três amores”, da jornalista Bianca Zasso, colaboradora deste sítio. Formada pelo Centro Universitário Franciscano, suas opiniões e críticas exclusivas estão disponíveis todas as quintas-feiras. O tema prioritário é Cinema, pelo qual é uma apaixonada.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo