CidadaniaHistóriaPolítica

POLÍTICA. As razões por que uns e outros foram (e vão) às ruas, segundo Luiz Carlos Nascimento da Rosa

“…Defendíamos de forma fervorosa, de peito aberto e nas ruas, sem medo da repressão, o trabalho, o trabalhador e a sociedade do trabalho. De forma ideológica, nos transformamos em milhões e, derrubamos o governo militar e demos cabo aos nefastos porões da ditadura e terminamos com os privilégios e os silenciamentos dos bajuladores dos que governavam a base da opressão, dos canhões e da tortura de brasileiros que defendiam um país livre do sustentáculo repressivo americano, mais justo e igualitário.

Defendemos, através dos movimentos sociais, a reforma urbana para dar direito a casa para quem não tinha onde morar e reforma agrária para distribuir terra para quem queria produzir. Fomos perseguidos e nossos nomes, hoje como parte da trágica História política de nosso país, constam na lista de persona non grata ao sistema totalitário que, pela força, queria…”

CLIQUE AQUI  para ler a íntegra do texto “Democracia, manifestações sociais e desejos”,  escrito por Luiz Carlos Nascimento da Rosa, professor do Departamento de Metodologia do Ensino do Centro de Educação da UFSM. O texto foi postado há instantes, na seção “Artigos”. Boa leitura!

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo