EducaçãoTecnologiaUFSM

SIMULADORES. Exército vai investir R$ 9 milhões na UFSM, para desenvolvimento do sistema Astros 2020

O Sistema “Astros 2020” é considerado um projeto estratégico do Exército Brasileiro
O Sistema “Astros 2020” é considerado um projeto estratégico do Exército Brasileiro

Talvez, se o bestunto do editor não estiver falhando, seja este o principal projeto a garantir o direito de Santa Maria pleitear a condição de Polo de Defesa. O quê: os investimentos do Exército, especialmente na UFSM – além, claro, de suas fortes unidades locais.

Veja-se o caso do sistema “Astros 2020”, que consiste no desenvolvimento de um sistema de fogo de longo alcance. Os simuladores são fundamentais. E eles serão testados na Universidade, como mostra material originalmente publicado no jornal A Razão, e que você tem aqui, da versão online. A reportagem é de Fabrício Minussi, com informações da UFSM e foto de Reprodução. Acompanhe:

UFSM terá simulador de precisão para foguetes e mísseis

Quatro professores da UFSM estiveram presentes na primeira reunião de trabalho sobre o projeto do Sistema de Simulação Astros 2020 (SiS-Astros), que ocorreu de 10 a 12 de março no Forte Santa Bárbara, localizado na cidade de Formosa (GO). Este projeto visa à pesquisa e ao desenvolvimento pela UFSM, em cooperação com o Exército, de um sistema de simulação (software e hardware) que possibilite a integração das ferramentas de simulação do Sistema Astros.

Considerado um projeto estratégico do Exército Brasileiro, o Astros 2020 consiste no desenvolvimento de um sistema de fogo de longe alcance (mísseis e foguetes) com elevada precisão. Para desenvolver o sistema de simulação do Astros, o Exército vai repassar R$ 9 milhões para a UFSM. Na universidade, o projeto envolverá cerca de 30 pessoas, entre alunos, pesquisadores e profissionais contratados.

Na reunião de trabalho, estiveram presentes os professores Cesar Tadeu Pozzer, Lisandra Manzoni Fontoura, Mateus Beck Rutzig e Raul Ceretta Nunes, todos da UFSM, bem como o professor Edison Pignaton de Freitas, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Por parte do Exército, compareceram representantes do Projeto Astros 2020, Departamento de Ciência e Tecnologia, Comando de Operações Terrestres, 6º Grupo de Mísseis e Foguetes e Centro de Instrução de Artilharia de Mísseis e Foguetes.

Na oportunidade, os professores debateram com os representantes do Exército os principais pontos relacionados ao desenvolvimento do SiS-Astros, definindo os próximos passos a serem executados. Além disso, a equipe de professores teve a oportunidade de conhecer de perto o funcionamento do Astros 2020. Eles tiveram contato com as viaturas e simuladores existentes, e também com o reconhecimento, escolha e ocupação de posição de uma bateria de mísseis e foguetes.”

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. O lançador deverá ser desenvolvido pela Avibrás, São José dos Campos. Falam por aí em mais de um bilhão de investimentos, mais de 200 milhões de dólares só e em desenvolvimento.
    Se a Avibrás tirar o nariz da água, andou até atrasando salários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo