Um tesouro – por Alice Elaine Teixeira de Oliveira

Um tesouro - por Alice Elaine Teixeira de Oliveira - alice-11.01Eu possuo muitos tesouros na minha vida. Tesouros físicos, emocionais, espirituais e imaginários. Tudo que me é valioso faz parte do meu tesouro pessoal e intransferível. As lembranças mais queridas estão guardadas no baú da memória com muito carinho e cuidado. Meu ursinho da infância, mesmo sem metade dos seus olhos de plástico e carregando um buraco na barriga de tecido, está guardado junto às cartas do meu tempo de namoro. Meu primeiro brinco de ouro e pérola está devidamente acondicionado na caixinha de joias. Meus textos bíblicos preferidos, sei recitar de cor e estão dentro do coração.

Quando paro para pensar em como sou rica com tudo que eu acumulei durante minha vida, quantas histórias e experiências, não posso deixar de polir e limpar meus tesouros. Gosto de manter minhas riquezas sempre valiosas, brilhantes e belas.

Dentre muitas destas, estão as minhas amizades. E dentre todas elas, algumas se destacam devido seu especial brilho e valor. Quando temos alguma aspiração na vida, um desejo de aprender ou por em prática alguma habilidade específica, mas necessitamos de algum recurso humano disponível para nos ajudar é neste momento que descobrimos algumas boas amizades. São pessoas que realmente se doam para que nós tenhamos o nosso aprendizado completo e progressivo. Foi assim que aconteceu pra mim. Ganhei uma amiga verdadeira e preciosa, qual joia rara e bela, de um valor inestimável.

Desde que ganhei minha primeira máquina fotográfica semiprofissional eu queria aprofundar-me nesta arte magnífica de congelar a história, capturar num instante todo o contexto de um acontecimento. Eu queria poder fazer poesia com luz e cores, dividir meu olhar e meu pensamento por meio da fotografia.

Fiz da chuva e do sol meus modelos fotográficos. Persegui os pássaros e gatos na busca da foto perfeita. Caminhei pelas manhãs frias de geada para poder encontrar as rosas cobertas de gelo e os bueiros fumegantes. Subi colinas, desci ribanceiras, andei mato à dentro, pisei nas pedras, equilibrei-me à beira de precipícios e sujei a roupa deitando no chão, tudo por um ângulo que transmitisse o significado certo. Mas, então, surgiu o desafio da captura da essência humana. Como aplicar no retrato estático a personalidade, a vida e a alma de uma pessoa? Isto envolve tempo, disponibilidade, entrega, planejamento e muito humor para enfrentar as sessões de sorriso, o calor, as trocas de roupa, de ambiente e de clima.

Eu ganhei meu diamante lapidado com a modelo perfeita para minhas lições. Ela tinha todas as qualidades que eu poderia querer para colocar em prática o que eu havia estudado. Ela era simpática, prestativa, vaidosa, disposta a posar e a ficar horas obedecendo às mais absurdas propostas de fotos que eu poderia propor. Ela andou nas pedras, entrou em rios, tirou sapatos, subiu em árvores, escalou alturas, olhou pro sol, andou à cavalo, riu, correu, pulou, deitou na grama, balançou-se ao vento, andou quilômetros, embrenhou-se no mato, embaraçou o cabelo, tirou e colocou roupas, chapéu, óculos e maquiagem, tudo para que eu pudesse exercitar e aprender.

Um verdadeiro tesouro de amizade, compartilhamento de tempo e de nossas famílias que com o tempo tornavam-se mais próximas, mais dependente desta troca de carinho. No fim, as fotos tornaram-se naturais, espontâneas e até corriqueiras. Comecei registrando, em nossas primeiras fotos, os seus 18 anos de juventude, depois com o passar do tempo a sua história, seu namoro, seu noivado, nossas festas, seu casamento, sua despedida da cidade…

Em uma das nossas últimas sessões de foto, registrei nossa viagem, com nossas famílias, pelo Rio Grande do Sul e voltamos cada uma aos nossos lares felizes e mesmo com a distância que nos separam entre cidades diferentes e até mesmo estados diferentes não há distância entre nossos corações, somos amigas, somos irmãs, mãe e filha, somos unha e carne! Ela é um tesouro para mim, guardarei eternamente junto aos meus tesouros, guardarei na mente, no coração e nos registros digitais, que são muitos!!!

E você, tem um tesouro assim?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *