AssembleiaSanta MariaTragédia

NÃO CUSTA LEMBRAR. Um novo passo se dava para o desmonte completo da Lei Kiss, um pouco adiante

Confira a seguir trecho da nota publicada na noite de 17 de novembro de 2015, terça:

ASSEMBLEIA. Projeto que modifica item na Lei Kiss está protocolado e será debatido em audiência pública

A propósito de comentário feito pelo editor, tanto na coluna do jornal A Razão (reproduzida no sítio), como aqui mesmo, se colocando contra qualquer modificação adicional na Lei Kiss, o deputado Gabriel Souza (PMDB), autor de uma proposta, fez contato. E disse que sua ideia não é exatamente “flexibilizar” a legislação amplamente discutida pela sociedade em 2013, através da própria Assembleia Legislativa.

O parlamentar entende, porém, que um ponto precisa ser ponderado, sem que os objetivos da lei sejam desvirtuados. Este espaço é, todos sabem, democrático. Então, façamos o seguinte: abaixo, há dois textos da assessoria de imprensa do deputado. Que explicam o projeto, um, e anuncia a audiência pública que vai discuti-lo, noutro. Os textos são de Marluci Stein. A foto é de Marcelo Bertani, da Agência de Notícias da AL. Acompanhe:

Deputado protocola projeto que regulamenta a compra de fogos de artifício

O Deputado Gabriel Souza protocolou um Projeto de Lei que regulamenta as operações de compra e venda de fogos de artifício e artefatos pirotécnicos por pessoas físicas no Rio Grande do Sul. Desta forma, os…”

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI               

PASSADO EXATAMENTE UM ANO da publicação da nota, vamos simplificar: a Lei Kiss, tal como foi concebida e amplamente aprovada pela Assembleia Legislativa, simplesmente não mais existe. A prevenção de incêndios, no Rio Grande do Sul, voltou a ser praticamente a mesma (isto é, ralíssima) de antes da tragédia da Kiss. Afinal, foram “apeeeenas” 242 jovens mortos. E viva o troco. Mesmo que a custa de vidas humanas.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo