EconomiaEducaçãoNegóciosTrabalhoUFSM

CIDADE. Carlos Costabeber, as greves da UFSM e o jeito de a economia local não sofrer prejuízos maiores

carlinhos-chamada“…Mas voltando ao outro lado da moeda, eventualmente acontecem greves, que acabam trazendo prejuízos econômicos para a cidade; notadamente na UFSM e nas escolas estaduais. O comércio e a prestação de serviços, que já sofrem com a recessão, tem mais um impacto negativo com as paralisações. Os alunos voltam para casa, e o efeito psicológico sobre os professores e funcionários, se reflete diretamente em queda nas vendas. Quem está em casa, “não tem clima” para comprar.

Portanto, as greves são mais uma variável incontrolável na economia, assim como são os desejos dos consumidores, as leis, o clima, e a concorrência nos negócios. E a única alternativa para sobreviver  aos fatores “extracampo”, é…”

CLIQUE AQUI para ler a íntegra do artigo “As greves e a economia da cidade”, de Carlos Costabeber – graduado em Administração e Ciências Contábeis pela UFSM (instituição da qual é professor aposentado), com mestrado pela Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, com especialização em Qualidade Total no Japão e Estados Unidos. Presidiu a Cacism, a Câmara de Dirigentes Lojistas e a Associação Brasileira de Distribuidores Ford. É diretor da Superauto e do Consórcio Conesul.

OBSERVAÇÃO DO EDITOR: a imagem que ilustra esta nota é uma reprodução de foto do arquivo da Seção Sindical dos Docentes da UFSM.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Antes formados do que mal formados ou não formados.

    O problema é que a cultura latina e católica apostólico romana é do tipo “me dá um emprego aí”.

    A da aldeia gaúcha é pior ainda, “me dá um emprego público aí”.

  2. Santa Maria tem, portanto, tanto capitalismo quanto um pesque-pague tem pescarias. Ainda por cima tentaram exportar o mesmo modelo para Silveira Martins e Cachoeira do Sul.
    Reuni também foi uma bolha. O “sonho” de alguns, os filhos com diploma de curso superior, a estatística mal interpretada “quem tem faculdade ganha X porcento mais do que os que não têm”, rendeu um política pública. “Vamos distribuir diplomas porque dá voto”. Criaram montes de vagas. Problema? Existe mercado de trabalho para estas profissões depois? Resposta padrão: “depois a gente vê, é preciso ser otimista”. E a curva demográfica? “Coisa da Globo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo