UFSM

EDUCAÇÃO. Contingenciamento retira R$ 152 milhões da UFSM. R$ 92 milhões eram para investir

Paradoxo: “Universidade cresce e investimento diminui”, diz Burmann, em reunião da Frente Parlamentar de Apoio às Universidades Públicas

Da Assessoria de Comunicação do Gabinete do Reitor da UFSM, com foto de Marionaldo Ferreira

O reitor da UFSM, professor Paulo Afonso Burmann, participou segunda-feira (9), de uma reunião na Câmara de Vereadores de Santa Maria. A pauta do encontro foi a situação orçamentária da Universidade. A reunião foi promovida pela Frente Parlamentar de Apoio às Universidades Públicas e aos Institutos Federais de Educação da Câmara.

Na ocasião, o reitor apresentou a evolução orçamentária da UFSM, no período de 2014 a 2017. Burmann destacou os contingenciamentos orçamentários que vêm sendo impostos à Universidade desde 2014 e que, em 2017, já somam R$ 152,39 milhões em recursos que deixaram de ser investidos. Deste valor, R$ 92 milhões referem-se ao orçamento de investimento e R$ 60,39 milhões da verba de custeio contingenciados. “Estamos vivendo um paradoxo: a universidade crescendo e os investimentos diminuindo”, afirmou o reitor.

Burmann ainda reforçou a importância da mobilização política dos vereadores junto aos parlamentares da bancada gaúcha em Brasília, no sentido de buscar a sensibilização do governo federal. As Universidades e Institutos Federais reivindicam a liberação integral dos valores aprovados na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017 e a garantia de que, para a LOA de 2018, seja mantido, no mínimo, o mesmo orçamento aprovado para 2017.

Entre os encaminhamentos da reunião, está a previsão de realização, no mês de novembro, de uma audiência e uma sessão plenária com tribuna livre para aprofundar o debate e o apoio das lideranças santa-marienses à Universidade. O apoio da Câmara de Vereadores de Santa Maria se soma a iniciativas semelhantes que já vem sendo promovidas nos demais municípios em que a UFSM mantém campi, como Frederico Westphalen, Palmeira das Missões e Cachoeira do Sul.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. 92 milhões era para construir prédios, aqui, em Cachoeira, etc. Tirando a cifra, o resto da notícia é requentada. Pressão política é abobrinha, falta dinheiro em Brasília também e a UFSM não é melhor e nem pior do que as outras IFES.
    O resto é mais do mesmo, autopromoção, “reitorar é construir prédios”.
    Daí entramos na questão do “muro”. Falam na importância da universidade, só que existe uma distorção no Brasil. O papel que as IFES desempenham é muito diferente do que uma insituição alemã (ou suíça, ou americana, ou francesa) do mesmo tipo exerce na sociedade alemã. Desculpa tupiniquim é a de praxe, a mesma de qualquer repartição pública: falta gente, faltam recursos, falta “valorização”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo