Câmara de VereadoresPolíticaTransporte

CÂMARA. Vereadora sugere projeto para combater o assédio sexual no transporte coletivo em Santa Maria

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Divulgação), da Equipe do Site

Proposta prevê campanha e capacitação de motoristas e cobradores

Uma campanha permanente contra o assédio sexual de mulheres no transporte coletivo em Santa Maria. É o que propõe a vereadora Celita da Silva (PT) através do Projeto de Lei nº 8.602/2017 (AQUI), protocolado nessa quarta-feira (22). Além de conscientizar a população, a iniciativa visa estimular denúncias de assédio sexual por parte da vítima.

De acordo com a delegada Débora Dias, titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), não há registros de assédio sexual no transporte coletivo. Porém, a ausência de números apenas mascara o problema.

“Não temos registros porque as mulheres não fazem esse tipo de denúncia”, argumenta a delegada.

Débora também aponta que é “quase uma rara exceção” que uma mulher não tenha sofrido assédio em um espaço público.

O Projeto de Lei determina que sejam afixados, no interior dos veículos e nos terminais, adesivos e cartazes com orientações a serem adotadas pelas vítimas. A iniciativa também propõe capacitação de motoristas e cobradores sobre a temática da violência.

“Queremos trabalhar a conscientização das pessoas sobre o assédio sexual e com isso contribuir para a desnaturalização da cultura da violência contra as mulheres arraigada na sociedade, de fazer parte do desenvolvimento masculino assediar mulheres e não ser questionado”, afirma Celita.

Paradas

A petista também é autora do Projeto de Lei Complementar nº 8.468/2017 (AQUI), que prevê a possibilidade de mulheres, idosos e pessoas com deficiências desembarcarem do transporte coletivo em qualquer local com parada permitida, no trajeto regular da linha, após as 22h. A iniciativa tramita na Casa.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Excelente projeto, a nobre vereadora poderia também fazer um projeto de lei sobre a superlotação no transporte coletivo, em horários de pico, sendo essa situação benefica para tarados, tenho mãe e namorada, e eles me relataram várias vezes de se sentirem desconfortáveis em ónibus lotados, e de pessoas se aproveitarem da situação!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo