PESQUISA. Sem habeas e nada, Lula segue líder da preferência popular, conforme levantamento MDA

PESQUISA. Sem habeas e nada, Lula segue líder da preferência popular, conforme levantamento MDA

PESQUISA. Sem habeas e nada, Lula segue líder da preferência popular, conforme levantamento MDA - correio-do-povo-lula

Lula lidera intenções de voto seguido de Bolsonaro. O petista ostenta 33,4% da preferência do momento, e seu seguidor tem 16,8%

No portal do CORREIO DO POVO, com informações d’O Estado de São Paulo e foto de Reprodução

Pesquisa CNT/MDA, divulgada nesta terça-feira. mostrou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue liderando as intenções de voto, mesmo com a possibilidade de ser impedido pela Justiça Eleitoral de disputar as eleições presidenciais deste ano. Na pesquisa estimulada, o petista lidera o cenário com 33,4%, seguido do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) com 16,8% e Marina Silva com 7,8%.

O tucano Geraldo Alckmin teria 6,4% no cenário com Lula na disputa, seguido de Ciro Gomes (PDT) com 4,3%. O senador Álvaro Dias (PODE) teria 3,3% e o senador Fernando Collor teria 1,2%. O presidente Michel Temer está nas últimas colocações, com 0,9%, seguido de Manuela D´Ávila com 0,7% e Rodrigo Maia (DEM-RJ) com 0,6%.

O nome do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), não foi incluído na pesquisa. Sem Lula, Bolsonaro lidera todos os cenários pesquisados. O deputado aparece na pesquisa com uma média de 20% das intenções de votos em três situações, onde o PT substitui Lula pela candidatura do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que aparece com 2,1% a 2,4% das intenções de voto.

Marina Silva é a que mais se aproxima de Bolsonaro, com 12,8%, 13,4% e 13,9% das intenções de voto, dependendo do cenário. Sem Lula, Alckmin aparece com 8,7%. Já Ciro fica com 8,1%; Temer, 1,3%; e Maia varia entre 0,8% a 1,4%.

A pesquisa CNT/MDA ouviu 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 Unidades Federativas, das cinco regiões do País. A margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais com 95% de nível de confiança. A pesquisa foi feita entre 28 de fevereiro a 3 de março e foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-06600/2018.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



5 comentários

  1. Jorge

    Não dá para entender essas pesquisas. O Chapolim não pode ser candidato. Acabou. “Já era”.

    Ficar insistindo é do mundo do avesso. Até o Boulos e a Manuela sabem disso e são candidatos, não coligados. Colocar o nome do Chapolim na lista é o mesmo que colocar o nome do Marcola e o Papai Noel, “isso non ecxiste”, como diria aquele padre famoso.

    • O Brando

      No Brasil absurdos acontecem. Vai ser uma eleição tumultuada. E curta.

  2. O Brando

    Molusco flutua na margem de erro da pesquisa no índice base do PT, perto de 30%. Outro detalhe: único em que votaria (27,6%); é um candidato em que poderia votar (22,5%); não votaria nele de jeito nenhum (46,7%); não conhece/não sabe quem é/ nunca ouviu falar (0,7%). Rejeição dos outros também é nesta faixa, perto de 50%.

  3. O Brando

    Manuela perdendo para o Collor é só efeito do recall, gaúcha é praticamente desconhecida. Mostra que a “renovação” que muita gente quer não vai rolar. Temer tem 88% de rejeição (é exceção). Na declaração de voto espontânea Bolsonaro está 6% atrás do Molusco.
    Bolsonaro está pintando como uma “Marina”, só que à direita.
    Maia não deve ser candidato a presidente, deve sair candidato ao governo do RJ. Collor não está bombando a reeleição ao Senado (não sei se é a época dele)?
    Se o Lula mandar votar no Haddad ele pularia lá para os 20%. Problema é a rejeição em SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *