REGIÃO. Apoio científico e prático da UFSM para o desenvolvimento do Geoparque da Quarta Colônia

REGIÃO. Apoio científico e prático da UFSM para o desenvolvimento do Geoparque da Quarta Colônia - ufsm-geoparquePor LAURA COELHO DE ALMEIDA, da Agência de Notícias da UFSM, com imagem de Reprodução

No último dia 6 de maio ocorreu, no Anfiteatro A do CCNE no campus sede da UFSM, reunião entre o reitor Paulo Afonso Burmann, o vice-reitor Luciano Schuch, a diretora do Centro de Ciências Naturais e Exatas, Sonia Zanini Cechin, e o grupo de prefeitos da região da Quarta Colônia. Na pauta estava o projeto do Geoparque da Quarta Colônia, que servirá para impulsionar o desenvolvimento local e regional.

Geoparques são áreas territoriais com limites definidos, que incluem um patrimônio geológico, associado a uma estratégia de desenvolvimento sustentável. Nas áreas encontram-se locais de valores ecológicos, históricos, culturais e arqueológicos. No Geoparque da Quarta Colônia são encontradas cascatas, montes, cerros e balneários, situados nos municípios de Pinhal Grande, Nova Palma, Faxinal do Soturno, Dona Francisca, Ivorá, São João do Polêsine, e Restinga Seca.

Segundo o professor do curso de Geografia da UFSM, Adriano Severo Figueiró, entre as diferenças que Geoparque faz para a Quarta Colônia está a questão relacionada à identidade que as pessoas criam ou aprofundam em relação ao território onde elas residem. “A ideia do Geoparque permite que as pessoas conheçam a fundo o seu território e o patrimônio que têm. Ao conhecer a fundo, as pessoas têm condições de cativar os turistas, o que nós chamamos de geoturismo, ou seja, o turismo de pessoas que vem para conhecer o patrimônio geológico. Então, o geoturista vai ser cativado pelos moradores do local, pelos guias que vão levá-los, todas as pessoas que estão envolvidas no projeto, isso potencializa uma circulação de turistas, de capital, de empreendimentos. O objetivo é fazer esse movimento baseado no potencial desse território que já existe e desenvolver a questão da educação, nas escolas, e acima de tudo o orgulho das pessoas em morar num território que é visitado por pessoas do mundo todo”.

UFSM e o Geoparque

O projeto do Geoparque da Quarta Colônia surgiu em 2010, por demanda da própria comunidade. A UFSM aproximou-se do projeto em 2014 e iniciou estratégias de divulgação, pois estava estagnado por falta de verba e pelo fato de não haver um plano adequado de funcionamento. Quatro anos depois, a universidade continua no processo de divulgação, tentando chegar na escolas para que os professores e alunos conheçam o projeto, ao mesmo tempo que conversa com as prefeituras e se dedica a oferecer o subsídio científico. O Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica (Cappa) também está envolvido nas questões técnicas de paleontologia, com os fósseis. Apesar do apoio da UFSM, cabe à comunidade local criar políticas de regulamento do Geoparque e realizar eventos e estratégias de divulgação.

O projeto está na fase em que a UFSM está divulgando a ideia dentro da comunidade, para que as pessoas saibam que existe o projeto e o que é o geoparque. Quando se trata de planos definidos ainda não existe nenhum, pois depende da comunidade abraçar o projeto. “O geoparque oferece ferramentas para que a comunidade possa gerar desenvolvimento, empregos e rendas a partir de atividades vinculadas ao seu patrimônio geológico e geomorfológico. Quem vai manusear essas ferramentas são as pessoas do território. Então, isso implica um processo de organização de criação de redes e articulação dos atores sociais e esse é o processo que está em andamento”, conta o professor.

Os próximos passos no desenvolvimento do Geoparque, a partir da reunião do dia 6 de maio, é a criação de um comitê gestor, formado pelas representações dos municípios e, a partir disso, estabelecer políticas para o crescimento do projeto. A UFSM entrará como assessora científica do processo.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. O Brando

    Desenvolvimentismo. Colocar dinheiro público para gerar turismo onde há muito pouco ou nenhum. No meio de uma crise econômica nacional. Tudo ‘pensado’ por políticos e servidores públicos. Tem tudo para dar certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *