Destaque

OBRA DA CÂMARA. Tribunal de Contas decide que Sandra e Badke terão que ressarcir os cofres públicos

Decisão do Tribunal de Contas do Estado foi anunciada na tarde dessa segunda. Ex-presidentes Sandra Rebelato e Manoel Badke terão que pagar multa e ressarcir os cofres públicos. Já Marcelo Bisogno, por ora, está livre das penalidades (Montagem sobre fotos de Divulgação)

Por MAIQUEL ROSAURO, da Equipe do Eite

A Primeira Câmara Especial do Tribunal de Contas do Estado (TCE) julgou que os ex-presidentes do Legislativo santa-mariense, Sandra Rebelato (PP) e Manoel Badke – Maneco (DEM), cometeram erros administrativos em relação à obra de ampliação do Parlamento. Ambos terão que pagar multa e ressarcir os cofres públicos.

O processo de Inspeção Extraordinária que investiga a obra de ampliação da Câmara teve início em setembro de 2014. A votação, na tarde dessa segunda-feira (2), seguiu os apontamentos do procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC-RS), Geraldo Costa da Camino.

Para Sandra (gestora da Câmara em 2011), atualmente secretária municipal de Meio Ambiente e presidente do PP/SM, foi determinada multa de R$ 1,1 mil e o pagamento de R$ 8.374,15 mil. Maneco, que hoje é vereador e foi presidente do Legislativo em 2012, foi aplicada multa de R$ 1,2 mil e débito de R$ 157.178,23 mil.

Quem teve melhor sorte foi o ex-presidente da Câmara em 2013, Marcelo Bisogno (PDT), que hoje é assessor da deputada estadual Juliana Brizola (PDT) e presidente do PDT/SM. Ele não recebeu multa, enquanto que o débito de R$ 507.320,40 mil foi suspenso.

“Na ausência de elementos que indiquem culpa grave deste gestor, afasta-se a sugestão de débito quanto a ele, bem como não lhe cabe imposição de penalidade pecuniária”, disse o conselheiro-substituto, Cesar Santolim.

Todavia, será instaurada uma tomada de contas especial para averiguar de forma mais aprofundada os valores pagos que deram prejuízo aos cofres públicos.

Também foi decidido que Ministério Público Estadual, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, Conselho de Arquitetura e Urbanismo devem ser cientificados em relação ao resultado do julgamento, a fim de que possam adotar as medidas que entenderem cabíveis. Os três ex-gestores do Legislativo, ainda cabe recurso ao Tribunal Pleno do TCE.

Obra da Câmara de Vereadores iniciou em janeiro de 2012 e, um ano após, foi paralisada em definitivo (foto Maiquel Rosauro/Arquivo)

A obra

Em dezembro de 2011, a Câmara de Vereadores e a empresa Engeporto, de Campo Bom, assinaram o contrato para a construção do prédio, orçado em R$ 4,9 milhões. A obra iniciou em janeiro de 2012 e deveria ser entregue em dezembro daquele ano.

Contudo, após dois embargos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a obra foi paralisada em definitivo janeiro de 2013. Em outubro daquele ano, a Câmara e a Engeporto romperam o contrato.

A obra segue parada e não há previsão de quando irá recomeçar. Mais de R$ 1,4 milhão já teriam sido investidos na construção.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo