Destaque

CÂMARA. “Grupo dos 11” manda um recado para governistas: está unido em torno de Marion Mortari

Após deixar o G10 esperando por cerca de 50 minutos, G11 voltou para o Plenário, registrou esta foto e encerrou a sessão desta quinta

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Divulgação), da Equipe do Site

As sessões da Câmara de Vereadores de Santa Maria durante o período de campanha eleitoral são marcadas por uma pauta enxuta, muitas vezes, composta apenas pelo Festival de Moções. Não foi diferente na manhã dessa quinta-feira (13), não fosse pelo inesperado final dos trabalhos.

Após o encerramento da Ordem do Dia, foram solicitados sucessivos intervalos de 10 minutos para reuniões de comissões e também do Grupo dos 11. Após meia hora de interrupção, integrantes do G11, voltaram a pedir mais tempo para seguirem dialogando na Sala de Reuniões.

Cerca de 50 minutos depois, o G11 voltou para o Plenário. Porém, antes dos parlamentares ocuparem os seus lugares, os onze se reuniram em frente à Mesa Diretora e registraram a foto que abre esta matéria. Segundos depois, o presidente Alexandre Vargas (PRB) encerrou a sessão.

Vereadores do G10 (grupo governista) ficaram furiosos, pois esperavam que a sessão continuasse após terem ficado quase 50 minutos aguardando os colegas.

“Falta de respeito”, disse Francisco Harrisson (MDB) saindo rapidamente do Plenário.

Porém, integrantes do G11 pareciam pouco preocupados com as reclamações.

“Nosso objetivo era demonstrar apoio ao vereador Marion Mortari (PSD)”, alegou Deili Silva (PTB).

Horas depois, Daniel Diniz (PT), um dos líderes do G11, postou a foto no Facebook com elogios a Mortari:

 

Mortari, que era candidato à Assembleia Legislativa, teve seu registro negado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS). Segundo o órgão, o parlamentar está inelegível por um período de oito anos, que se encerra em 7 de outubro de 2020 (AQUI).

“Mas se estou inelegível, como concorri em 2016, fui eleito e tomei posse? Eu faço um trabalho sério, sobretudo, em defesa do meio rural”, defende Mortari.

Na manhã de quinta, a assessoria de Mortari buscava subsídios para tentar reverter o resultado do julgamento que indeferiu a candidatura. Aliados do vereador defendem que ele é alvo de perseguição política.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

2 Comentários

  1. Kuakuakuakuakua! Qual o motivo da negativa do registro? “{…] uma de suas assessoras facilitava os agendamentos de consultas e encaminhamentos de exames em uma Unidade Básica de Saúde, a fim de favorecer Mortari no pleito de 2012.” Quem negou o registro? Tribunal Regional Eleitoral. O que os governistas tem a ver com isto? Não sei. Qual a relevância do dito apoio? Não dá para perceber, talvez a mesma que buzina em avião. Fica a dúvida se o Grupo dos 11 coaduna-se com ‘jeitinhos’ também.
    O que é, o que é? Se cobrir com lona vira circo, se gradear vira hospício?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo