NA REDE. Federais indiciam educadora física gaúcha por divulgação de conteúdo eleitoral falso na internet

NA REDE. Federais indiciam educadora física gaúcha por divulgação de conteúdo eleitoral falso na internet

NA REDE. Federais indiciam educadora física gaúcha por divulgação de conteúdo eleitoral falso na internet - correio-do-povo-indiciada-por-fake

A investigação iniciou com uma requisição feita pelo Tribunal Regional Eleitoral gaúcho. Agora, o primeiro caso de indiciamento por aqui

Da redação do Correio do Povo, com informações de Henrique Massado e foto de Divulgação/TRE

A Polícia Federal (PF) indiciou, na manhã desta sexta-feira, em Porto Alegre, uma educadora física por crimes eleitorais ao divulgar conteúdo falso em redes sociais. Em um vídeo, a mulher afirma que urnas fraudadas foram enviadas para a região Nordeste do Brasil, a mando do governo federal, em uma suposta fraude no atual processo eleitoral.

O caso foi encaminhado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul para a PF, que instaurou o inquérito. Com a investigação, a autora do vídeo foi identificada e indiciada por “Divulgar, na propaganda, fatos que sabe inverídicos, em relação a partidos ou candidatos e capazes de exercerem influência perante o eleitorado” e “Caluniar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando fins de propaganda, imputando-lhe falsamente fato definido como crime”, artigos 324 e 325 do Código Eleitoral, com pena de três anos de detenção.

A pena ainda pode ser aumentada em um terço (Artigo 327, III), em razão da utilização de redes sociais para divulgação do conteúdo falso.

O desembargador Jorge Luís Dall’Agnol, presidente do TRE-RS, lamentou o fato. De acordo com ele, este ano cresceu consideravelmente o número de casos de informações falsas sobre o sistema eleitoral brasileiro, o que, na sua visão, vai contra a luta história da Justiça Eleitoral em garantir a integridade das eleições e consolidada com a urna eletrônica, utilizada há 22 anos sem registro de irregularidade. “É uma pena, porque isso, de certa forma, mascara a real situação não só dos candidatos, mas a vivenciada pela própria Justiça Eleitoral”, comentou.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. O Brando

    Fake News. Artigo 324, detenção de seis meses a dois anos. Artigo 325, detenção de três meses a um ano. Além de virar cestas básicas, vai subir até o STF e dar em nada. Mensagem em rede social de alguém não ligado a campanha é propaganda eleitoral? Estão tarrafeando fatos atípicos com o código eleitoral, salvo melhor juízo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *