CampanhaEleições 2018InternetPolítica

NA REDE. Federais indiciam educadora física gaúcha por divulgação de conteúdo eleitoral falso na internet

A investigação iniciou com uma requisição feita pelo Tribunal Regional Eleitoral gaúcho. Agora, o primeiro caso de indiciamento por aqui

Da redação do Correio do Povo, com informações de Henrique Massado e foto de Divulgação/TRE

A Polícia Federal (PF) indiciou, na manhã desta sexta-feira, em Porto Alegre, uma educadora física por crimes eleitorais ao divulgar conteúdo falso em redes sociais. Em um vídeo, a mulher afirma que urnas fraudadas foram enviadas para a região Nordeste do Brasil, a mando do governo federal, em uma suposta fraude no atual processo eleitoral.

O caso foi encaminhado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul para a PF, que instaurou o inquérito. Com a investigação, a autora do vídeo foi identificada e indiciada por “Divulgar, na propaganda, fatos que sabe inverídicos, em relação a partidos ou candidatos e capazes de exercerem influência perante o eleitorado” e “Caluniar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando fins de propaganda, imputando-lhe falsamente fato definido como crime”, artigos 324 e 325 do Código Eleitoral, com pena de três anos de detenção.

A pena ainda pode ser aumentada em um terço (Artigo 327, III), em razão da utilização de redes sociais para divulgação do conteúdo falso.

O desembargador Jorge Luís Dall’Agnol, presidente do TRE-RS, lamentou o fato. De acordo com ele, este ano cresceu consideravelmente o número de casos de informações falsas sobre o sistema eleitoral brasileiro, o que, na sua visão, vai contra a luta história da Justiça Eleitoral em garantir a integridade das eleições e consolidada com a urna eletrônica, utilizada há 22 anos sem registro de irregularidade. “É uma pena, porque isso, de certa forma, mascara a real situação não só dos candidatos, mas a vivenciada pela própria Justiça Eleitoral”, comentou.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Um Comentário

  1. Fake News. Artigo 324, detenção de seis meses a dois anos. Artigo 325, detenção de três meses a um ano. Além de virar cestas básicas, vai subir até o STF e dar em nada. Mensagem em rede social de alguém não ligado a campanha é propaganda eleitoral? Estão tarrafeando fatos atípicos com o código eleitoral, salvo melhor juízo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo