O FUTURO. Centro-direita deserdado pelas urnas já trata de se reorganizar. Até novo Partido é discutido

O FUTURO. Centro-direita deserdado pelas urnas já trata de se reorganizar. Até novo Partido é discutido

O FUTURO. Centro-direita deserdado pelas urnas já trata de se reorganizar. Até novo Partido é discutido - valor-hartung

Hartung: governador do ES é um dos articuladores para a formação de novo partido, agregando Alckmin, Tasso, Márcio França e Skaf

Do jornal Valor Econômico, por MONICA GUGLIANO, MALU DELGADO e VANDSON LIMA

Forças de centro, em sua maioria derrotadas nas eleições, já se movimentam em busca de espaço no novo cenário político. A fragmentação da esquerda e a iminente cisão do PSDB são circunstâncias políticas que têm acelerado entendimentos nos bastidores. As conversas reúnem até ex-adversários e podem resultar numa das maiores reorganizações partidárias dos últimos tempos. “As pessoas boas do país estão conversando” disse aoValor, um desses políticos.

Governador do Espírito Santo, Paulo Hartung é um dos articuladores de uma série de conversas que têm ocorrido, em diferentes frentes, para a formação de um novo grupo político – e possivelmente, de um novo partido, que agregaria desde os tucanos Geraldo Alckmin (presidente nacional da sigla) e o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) até o atual governador de São Paulo, Márcio França (PSB) e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf (MDB), passando pelo secretário da Casa Civil de São Paulo, o ex-deputado Aldo Rebelo (Solidariedade).

Hartung, que anunciou ontem sua saída do MDB, tem estreitado cada vez mais relações com possíveis “novos atores” da política nacional nos próximos anos, como o grupo Renova-BR e o apresentador de televisão Luciano Huck, que seriam os responsáveis por dar uma cara de “nova política” ao grupo, segundo interlocutores.

Alckmin e Tasso, por sua vez, jantaram na terça-feira na casa do senador do Ceará e chegaram à conclusão de que ficará insustentável para eles a permanência no PSDB caso o futuro governador de São Paulo, João Doria, seja bem sucedido em sua busca por tomar o comando partidário e aproximar a sigla do governo de Jair Bolsonaro.

A pior sinalização nesse sentido, avaliam interlocutores, veio ontem, quando os outros dois tucanos eleitos governadores (Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul, e Reinaldo Azambuja, do Mato Grosso do Sul) e Doria, que já haviam apoiado Bolsonaro no segundo turno, anunciaram conjuntamente apoio à agenda do presidente eleito.

A insatisfação no PSDB não se encerra apenas em Tasso e Alckmin.Em artigo publicado no domingo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso já deu a senha à movimentação e até a batizou: o centro radical. “Não se trata de esperar sem fazer nada, nem de assumir a posição fácil de criticar tudo o que o governo faça. A possibilidade de se criar um “centro” não amorfo implica tomar partido com base em valores e na razão”, argumentou o ex-presidente, defendendo “a formação de um polo aglutinador”. “A consolidação de um novo movimento requer desde já a pavimentação de alianças, não só no círculo político, mas principalmente na sociedade, para formar um polo aglutinador da construção de um futuro melhor”, disse o tucano.

Segundo um dirigente tucano, a criação de um novo partido é algo que só vai de fato entrar na pauta depois que os partidos que não cumpriram a cláusula de barreira se organizarem no Congresso. Haverá, certamente, fusão de legendas, e é preciso aguardar essa movimentação, disse esta fonte. Todas as conversas, confirmou, caminham, por ora, na aglutinação das forças de centro, seguindo a definição de FHC.

De acordo com um interlocutor do atual governador de São Paulo, França passou a ser uma referência crucial na construção de um novo polo político porque está entre os 5 políticos do Brasil que tiveram mais de 10 milhões de votos: o presidente eleito, Jair Bolsonaro (57 milhões), Fernando Haddad (47 milhões), Ciro Gomes (13 milhões), João Doria (10,9 milhões) e França com, com 10,2 milhões.

Um aliado de França negou que a criação de um novo partido tenha entrado explicitamente na pauta e que, no momento, as conversas buscam identificar um comportamento unificado de várias forças e lideranças, crítico ao governo Bolsonaro, mas não sectário. A Executiva Nacional do PSB, por exemplo, colocou-se na oposição a Bolsonaro, mas fez ressalvas: “As ideias que foram eleitas são diametralmente opostas ao que nós pensamos. Nem por isso iremos nos aliar a uma oposição sistemática. Esse não é o perfil do PSB”, afirmou, em nota, a direção do partido.

No campo da esquerda, há uma evidente disputa entre o PT e outro campo liderado por Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede), que nesta semana já se encontram e acenam uma aproximação. A Rede não cumpriu a cláusula de barreira (número mínimo de votos distribuídos em 9 Estados) e estuda a fusão a uma outra legenda para sobreviver politicamente.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



2 comentários

  1. O Brando

    Valor Econômico a primeira vista poderia parecer um veículo ligado as finanças e ao mercado. Não é bem assim. Há economistas que até alcunharam o dito cujo de Pravda.
    Geraldo da Merenda até prova em contrário acabou. Marcio França não coloca o nariz fora de SP. Skaf conseguiu ser derrotado duas vezes na eleição, a primeira pessoalmente e depois ao prestar apoio a França. Hartung é outro, não coloca o nariz para fora do Espirito Santo.
    Hulk não é tão burro quanto acham, não emprestaria a imagem para um grupo de velhos ganhar ares de nova política.
    Efeagá não descobriu que ficou irrelevante.
    Haddad não tem todos aqueles votos, sem o Molusco e o PT não conseguiria 10% daqueles votos.
    Marina acabou também.
    Ciro banca o esperto. Tenta renegar as ligações com o PT para ter maiores chances no próximo pleito, não pegar as rebarbas do anti-petismo.

  2. O Brando

    No campo petista nada de novo. Passaram 13 anos no governo, patrolavam no Congresso com maioria comprada, como alguém muito bem disse espicharam a corda o máximo possível. Agora falam que naquele tempo a oposição não sabia dialogar para chegar a um meio termo (ou seja, colocaram a culpa nos outros) e alguns falam em dialogar. Só dando risada. Dialogar para um vermelhinho significa postergar para as calendas gregas qualquer medida que contraria a ideologia deles. A dificuldade cognitiva é tão grande que acham que ainda enganam alguém fora da própria grei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *