ESTADO. Eduardo Leite visita região afetada por enchentes e anuncia medidas de emergência

ESTADO. Eduardo Leite visita região afetada por enchentes e anuncia medidas de emergência

ESTADO. Eduardo Leite visita região afetada por enchentes e anuncia medidas de emergência - Eduardo-Leite-enchentes

Governador Eduardo Leite sobrevoa região atingida pelo mau tempo. Foto Itamar Aguiar

Por Vanessa Felippe / Secom

As brincadeiras da criançada amenizam um pouco a tristeza de quem teve que sair de casa e ir para um abrigo. Ana Cristina Ribeiro é uma das mais de 3.400 pessoas que foram atingidas pelos temporais e enchentes da última semana em Alegrete, na Fronteira Oeste. Assim como ela, cerca de 800 moradores estão em abrigos municipais. A dona de casa de 43 anos e mãe de quatro filhos conta que perdeu quase tudo: “A água subiu muito rápido. Meu marido e eu conseguimos salvar a cama, a televisão, o fogão e algumas roupas, mas tudo molhado. Meu filho mais velho, que é casado, perdeu tudo, ficou só com a roupa do corpo. Mas o mais importante está aqui”, desabafa, segurando no colo a netinha de dez meses.

A cidade, que decretou situação de emergência, recebeu a visita do governador Eduardo Leite nesse sábado (12). Esta foi a primeira viagem oficial como novo chefe do Executivo gaúcho. Leite esteve no abrigo onde, além da família da Ana Cristina, estão mais 140 adultos e crianças. “Apesar de todas as dificuldades, as pessoas conseguem manter o sorriso no rosto. Estou satisfeito porque estão sendo bem atendidas. Fiz questão de vir aqui para dizer que a população de Alegrete, Uruguaiana e toda a Fronteira Oeste não está sozinha. Vamos seguir firme neste trabalho conjunto de assistência”, afirmou. Depois, o governador sobrevoou parte da região alagada. Foi um voo curto por causa das condições climáticas.

O prefeito de Alegrete, Márcio Fonseca do Amaral, citou o espírito coletivo dos gaúchos: “Não está faltando nada essencial. O quadro de solidariedade tem sido muito grande. Em três dias, recebemos quase 9 toneladas de alimentos”.

Mais cedo, Leite esteve em Uruguaiana, que também decretou situação de emergência por causa do vendaval da última quarta-feira (9). Os ventos chegaram a 120 quilômetros por hora e destelharam 140 casas (parcial ou totalmente), um colégio e também o Instituto Penal de Uruguaiana. Por este motivo, 166 apenados do regime semi-aberto passaram para o regime domiciliar. O governador visitou o local, viu os estragos e anunciou medidas emergenciais: “Já destacamos um efetivo suplementar da Força Gaúcha de Pronta Resposta para reforçar o policiamento na cidade, tendo em vista o que aconteceu. Queremos garantir a segurança. Também estamos agilizando o processo para fazer a reforma do telhado para que o instituto volte a receber os apenados o mais rápido possível”.

O governador ainda destacou que a Defesa Civil Estadual está focada em agilizar o processo de homologação dos decretos de emergência das prefeituras, uma etapa necessária para que recursos sejam liberados e para que os municípios possam solicitar ajuda também do governo federal. Até agora, 11 prefeitos da Fronteira Oeste decretaram situação de emergência.

Mais cedo, Leite esteve em Uruguaiana, que também decretou situação de emergência por causa do vendaval da última quarta-feira (9). Os ventos chegaram a 120 quilômetros por hora e destelharam 140 casas (parcial ou totalmente), um colégio e também o Instituto Penal de Uruguaiana. Por este motivo, 166 apenados do regime semi-aberto passaram para o regime domiciliar. O governador visitou o local, viu os estragos e anunciou medidas emergenciais: “Já destacamos um efetivo suplementar da Força Gaúcha de Pronta Resposta para reforçar o policiamento na cidade, tendo em vista o que aconteceu. Queremos garantir a segurança. Também estamos agilizando o processo para fazer a reforma do telhado para que o instituto volte a receber os apenados o mais rápido possível”.

O governador ainda destacou que a Defesa Civil Estadual está focada em agilizar o processo de homologação dos decretos de emergência das prefeituras, uma etapa necessária para que recursos sejam liberados e para que os municípios possam solicitar ajuda também do governo federal. Até agora, 11 prefeitos da Fronteira Oeste decretaram situação de emergência.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *