EstadoJudiciário

RODIN. Tribunal Regional Federal absolve João Luiz Vargas, ex-deputado estadual e presidente do TCE/RS

Com acréscimos a notícia original (AQUI) da Assessoria de Imprensa do TRF-4 e foto de Reprodução

Vargas: “tempo da mídia é muito mais rápido do que o tempo do judiciário, por isso é que a gente sofre tanto em um processo como este”

A 4ª Seção do Tribunal Regional Federal de Porto Alegre, em julgamento realizado na tarde desta quinta-feira, dia 31 de janeiro, reverteu por quatro votos a dois a condenação do ex-deputado e conselheiro aposentado do Tribunal de Contas do Estado João Luiz Vargas no processo da denominada Operação Rodin, que investigou serviços contratados pelo Detran gaúcho. O recurso de embargos havia sido proposto pela defesa de Vargas logo após a decisão de condenação no processo e teve duas interrupções, uma em 18 de outubro e outra em 13 de dezembro do ano passado.

A absolvição se deu no entendimento do desembargador federal Márcio Antônio Rocha, que avaliou que o réu, na condição de conselheiro do TCE, não detinha autoridade sobre as contratações realizadas pelo Detran e por esse motivo absolveu-o do crime de peculato-desvio, o único que Vargas ainda respondia no processo. Para o relator dos embargos, desembargador federal Leandro Pausen, esta tese é a correta, pois o crime de peculato-desvio não foi comprovado no processo e para aqueles fatos que ensejariam possibilidade de condenação, Vargas já havia sido absolvido na primeira instância ou sequer houve denúncia por parte do Ministério Público Federal. A defesa foi titulada pelo advogado Eduardo Jobim.

“O tempo da mídia é muito mais rápido do que o tempo do judiciário, por isso é que a gente sofre tanto em um processo como este. Sempre tive certeza da absolvição e não carrego mágoa nenhuma deste episódio. Agradeço aos amigos que nunca me abandonaram e entendo aqueles que tiveram dúvidas sobre a minha pessoa. Este assunto já é uma página virada na minha história”, avaliou Vargas.

A decisão que resultou a absolvição de Vargas foi proferida pela 4ª Seção do Tribunal Regional Federal de Porto Alegre, que também responsável pelo julgamento dos processos da Operação Lava Jato.

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo