SOBE/DESCE. O conturbado pedido de diárias para a viagem a Brusque e as consequências para vereadores

SOBE/DESCE. O conturbado pedido de diárias para a viagem a Brusque e as consequências para vereadores

SOBE/DESCE. O conturbado pedido de diárias para a viagem a Brusque e as consequências para vereadores - maiquel-sobe-e-desce-1

Ao ter o pedido de autorização de viagem a Brusque barrado, João Kaus disparou contra os vereadores e imprensa na tribuna da Câmara

Por MAIQUEL ROSAURO (com foto de Mateus Azevedo/AICV), da Equipe do Site

SOBE

Daniel Diniz (PT), Ovídio Mayer (PTB) e Leopoldo Ochulaki – Alemão do Gás (PSB)

Os três líderes de bancadas votaram contra a inclusão na Ordem do Dia do pedido de autorização de viagem de João Kaus (MBD) a Brusque. Por consequência, acabaram gerando economia em diárias para os cofres públicos e também a ira do emedebista (AQUI).

Cida Brizola (PP)

A presidente da Casa de um ultimato em seus colegas: ou apresentavam até sexta atas de instalações de quatro comissões especiais ou elas seriam extintas. Nem mais nem menos.

Deili Silva (PTB)

Os vereadores irão voltar ao Tecnoparque de Santa Maria no dia 26 de março. Nesta data, está programada uma sessão externa na entidade, indicada pela vereadora do PTB.

DESCE

João Kaus (MDB)

A intenção de viajar para Brusque, com despesas pagas pelo Parlamento, para entregar uma moção de repúdio e uma moção de apoio ao empresário Luciano Hang gerou um mar de críticas, tanto de leitores quanto de vereadores (AQUI).

Marion Mortari (PSD)

A viagem para Brusque também respingou no vereador do PSD, companheiro de Kaus na empreitada. Na conturbada sessão de quinta, o parlamentar manteve-se alheio à polêmica.

Valdir Oliveira (PT)

Pela segunda semana seguida, o vereador não conseguiu aprovar uma moção de repúdio. Desta vez, o foco era PEC 272/2019, que retira a obrigatoriedade de plebiscito para a venda de estatais gaúchas. Na semana passada, o alvo era a Reforma da Previdência.



1 comentário

  1. O Brando

    Tecnoparque continua muito similar a muitos outros por aí. Chama atenção um pessoal produzindo tira-linhas (não fica claro se produzem na aldeia mesmo), é nicho, mas o volume não aparenta ser grande, logo a logística simplifica. Valor agregado há que se analisar. De qualquer maneira parece bem pensado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *