POLÍTICA. Nos 100 dias no Piratini, Eduardo Leite anuncia marca publicitária do novo governo estadual

POLÍTICA. Nos 100 dias no Piratini, Eduardo Leite anuncia marca publicitária do novo governo estadual

POLÍTICA. Nos 100 dias no Piratini, Eduardo Leite anuncia marca publicitária do novo governo estadual - correio-do-povo-marca-governoDo portal do Correio do Povo, com foto de FLÁVIA BEMFICA

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, apresentou nesta terça-feira no Palácio Piratini as ações que moveram o Estado nos primeiros 100 dias de atuação e a marca que irá representar a sua administração pelos próximos quatros. O logo foi baseado nos projetos que pretende realizar. Na oportunidade, ele destacou que o foco principal nos primeiros meses e para o futuro é a racionalização das despesas, as estratégias para alongar as dívidas e o projeto para modernizar as receitas.

“Dentro da capacidade de superação de crise que apresentamos o conceito que moverá o nosso governo na sua marca. Uma marca simples, moderna e que tem a sua sustentação nesta frase: um Estado que teve tantas façanhas e que não pode apenas olhar para o passado com orgulho delas, mas tem que buscar novas façanhas”.

Na sequência, Leite explicitou que pretende racionalizar as despesas com recursos humanos e com a previdência, além de fazer o contingenciamento de gastos. O governador explicou ainda que a intenção é realizar o alongamento e uma revisão das dívidas. Além disso, irá anunciar em breve uma agenda de modernização das receitas da estrutura “para o Estado arrecadar melhor e simplificar a relação do contribuinte”.

O governador ainda ressaltou a importância de ter uma sólida base na Assembleia Legislativa para conseguir fazer as mudanças que pretende no Estado. Leite citou como exemplo o avanço da proposta de emenda à constituição que permite a venda de estatais sem a necessidade de plebiscitos como uma das grandes vitórias destes primeiros 100 dias.

“Com as reformas e privatizações estaremos aptos para, no segundo semestre, aderir o regime de operação fiscal junto ao Governo Federal. Além de consolidar o não pagamento da dívida com a União, o Estado terá acesso a crédito, que irá nos ajudar a colocar em dia parte de um passivo em relação a fornecedores e nos permitindo retomar, até o final do ano, o pagamento dos servidores em dia”.

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



2 comentários

  1. O Brando

    Irôn. Ação perversa, imprudente, escandalosa ou zombeteira: “E depois dizem que moda é só frufru. Nem o Papa conseguiria repetir a façanha.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *