VAZA JATO. Divulgado primeiro áudio. Escute AQUI! Protagonistas: Deltan Dallagnol e uma ‘comemoração’

VAZA JATO. Divulgado primeiro áudio. Escute AQUI! Protagonistas: Deltan Dallagnol e uma ‘comemoração’

VAZA JATO. Divulgado primeiro áudio. Escute AQUI! Protagonistas: Deltan Dallagnol e uma ‘comemoração’ - interceptSegundo o jornalista Ricardo Noblat, da Veja, na rede social Twitter, seriam 2 mil áudios – algo que apavora muito dos envolvidos, se for verdade.

De todo modo, sejam quantos forem, o teor pode ser explosivo. Inclusive bem mais que o primeiro, uma manifestação do comandante força tarefa do Ministério Público na Operação Lava Jato, o já notório Deltan Dallagnol. Ele comemora o fato de uma entrevista de Lula ser proibida por…

Bem, melhor mesmo é ler a reportagem do site The Intercept Brasil, e que começa a ser reproduzida e ampliada por outros veículos de comunicação. As imagens são de reprodução. O texto é assinado por Leandro DemoriAlexandre de SantiRafael Moro MartinsAmanda AudiTatiana DiasBruna de Lara. Acompanhe:

Um mês de #Vazajato: ouça agora áudio inédito dos arquivos do Intercept Brasil

HÁ UM MÊS, o Intercept iniciou uma série de reportagens que mudaram para sempre a história da operação Lava Jato, de seus procuradores e do ex-juiz e atual ministro de Jair Bolsonaro, Sergio Moro. Antes vistos como heróis intocáveis, os monopolistas do combate à corrupção (que tentavam silenciar qualquer voz que se levantasse para expor seus erros, abusos e ilegalidades) hoje são vistos de outra maneira pela população: 58% dos brasileiros acreditam que as conversas de Moro com procuradores são inadequadas. A desconfiança é ainda maior entre os jovens: na faixa etária de 16 a 24 anos, 73% não querem um país guiado pelo espírito justiceiro de Moro.

Em seus primeiros capítulos, as histórias dos arquivos secretos da Vaza Jato mostraram Moro atuando como chefe de fato dos procuradores, o que é ilegal; expuseram o coordenador da força-tarefa Deltan Dallagnol apresentando uma denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da qual ele próprio duvidava; e revelaram os procuradores da Lava Jato (incluindo Deltan) operando secretamente para evitar que Lula desse uma entrevista durante a campanha eleitoral por medo que pudesse ajudar a “eleger o Haddad”.

VAZA JATO. Divulgado primeiro áudio. Escute AQUI! Protagonistas: Deltan Dallagnol e uma ‘comemoração’ - Intercept-1A propósito disso, nós publicamos agora, pela primeira vez, um áudio da conversa entre os membros da força-tarefa a respeito da guerra jurídica em torno da entrevista. Na manhã do dia 28 de setembro de 2018, a imprensa noticiou que o ministro do STF Ricardo Lewandowski autorizara Lula a conceder uma entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Em um grupo no Telegram, os procuradores imediatamente se movimentaram, debatendo estratégias para evitar que Lula pudesse falar. Para a procuradora Laura Tessler, o direito do ex-presidente era uma “piada” e “revoltante”, o que ela classificou nos chats como “um verdadeiro circo”. Uma outra procuradora, Isabel Groba, respondeu: “Mafiosos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!”

Eram 10h11 da manhã. A angústia do grupo – que, mostram claramente os diálogos, agia politicamente, muito distante da imagem pública de isenção e técnica que sempre tentaram passar – só foi dissolvida mais de doze horas depois, quando Dallagnol enviou as seguintes mensagens, seguidas de um áudio.

VAZA JATO. Divulgado primeiro áudio. Escute AQUI! Protagonistas: Deltan Dallagnol e uma ‘comemoração’ - intercept-2Aí, segue o vídeo

 

A comemoração de Dallagnol expõe mais uma vez sua hipocrisia e sua motivação política: antes de serem alvos de vazamentos, os procuradores da força-tarefa enfatizavam – em chats privados com seus colegas – a importância de uma imprensa livre, o direito de jornalistas de publicar materiais obtidos por vias ilegais e que a publicação desses materiais fortalece a democracia.

No passado, Dallagnol era o maior entusiasta das garantias que foram justamente a base para a decisão de Lewandowski autorizar a entrevista de Lula. Em novembro de 2015, como o Intercept publicou, Deltan alertou seus colegas que investigar jornalistas que publicavam material vazado não seria apenas difícil mas “praticamente impossível”, porque “jornalista que vaza não comete crime”. Naquela época, ele era um dos principais defensores da importância de uma imprensa livre em uma democracia, um princípio que abandonou quando poderia, aos seus olhos, ajudar o PT a vencer a eleição.

Apesar do apelo do procurador para que a informação não fosse compartilhada, a notícia já se espalhava pela internet.

Depois do impacto inicial da Vaza Jato, o Intercept e seus parceiros continuaram a publicação de uma sequência de reportagens que mostraram as entranhas da operação, iluminando as conversas secretas que o público brasileiro e mundial precisavam ver.

Em parceria com Folha de S.Paulo, revista Veja e o jornalista Reinaldo Azevedo, mostramos comportamentos antiéticos e transgressões…

OUTRO LADO

O Intercept enviou para a Lava Jato o conteúdo do áudio. A força-tarefa respondeu: “O site se recusou a enviar o material usado na reportagem para avaliação da força-tarefa, prejudicando o direito de resposta e de análise do material. As mensagens que têm circulado como se fossem de integrantes da força-tarefa são oriundas de crime cibernético e não puderam ter seu contexto e veracidade verificados. Diversas dessas supostas mensagens têm sido usadas, de modo fraudado ou descontextualizado, para embasar falsas acusações que contrastam com a realidade dos fatos.”

PARA LER A ÍNTEGRA, NO ORIGINAL, CLIQUE AQUI.



1 comentário

  1. Leandro Passos Rodrigues

    Site Claudemir PTeira. Ainda bem que a maioria das pessoas é a favor da Lava Jato e contra corruptos. Podemos chamar ex-site jornalistico, pois até ontem tu chamava a Veja de Ex-Revista. Hipocrisia????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *