ARTIGO. Jorge Pozzobom e intervenção na Riachuelo, a correção de um grave e histórico problema da cidade

ARTIGO. Jorge Pozzobom e intervenção na Riachuelo, a correção de um grave e histórico problema da cidade

ARTIGO. Jorge Pozzobom e intervenção na Riachuelo, a correção de um grave e histórico problema da cidade - pozzobom-artigo-1Coragem para encarar os desafios e resolver os problemas crônicos

Por JORGE POZZOBOM (*)

Há um ditado na política que diz: cano não dá foto e, por isso, não dá voto. A frase, que representa, na verdade, a velha política, costuma ser utilizada para justificar o fato pelo qual a maioria dos governantes (em diferentes esferas) não coloca o investimento em obras de saneamento entre as suas prioridades. Um prédio de dez andares chama mais atenção do que um tubo de concreto que fica embaixo da terra, e isso acaba determinando para onde devem ser destinados os recursos públicos. Na minha opinião, um grande equívoco! E que o nosso governo está tratando de corrigir, com planejamento e ações concretas.

Nesta quarta-feira, terá início uma das maiores obras de saneamento realizadas no Centro de Santa Maria nas últimas décadas. A intervenção para corrigir um problema grave e histórico de drenagem pluvial na Riachuelo afetará diretamente, pelo menos, outras três ruas (Tuiuti, Dr. Astrogildo de Azevedo e Ângelo Uglione) e provocará grandes alterações no trânsito no coração da cidade por cerca de três meses.

Uma medida que irá gerar transtornos à população e que, talvez, alguns políticos até optassem por não tomar neste momento (como já a evitaram no passado, para não “perderem votos”), mas que a nossa gestão decidiu encarar e cumprir, com responsabilidade e em respeito aos cidadãos. Com muita coragem para encarar os desafios e resolver os problemas crônicos de Santa Maria.

A obra na Riachuelo vai, certamente, ganhar mais destaque na imprensa pois determinará mudanças em mais de 90% das linhas do transporte coletivo urbano, obrigando os ônibus a alterarem as suas rotas em algumas quadras, descendo pela Pinheiro Machado até a Benjamin Constant e, depois, retornando pela Venâncio Aires.

Mas o fato é que essa ação é apenas mais uma que estamos realizando em diferentes pontos da cidade, combatendo focos de alagamento já identificados por meio de um estudo técnico e, acima de tudo, devolvendo a dignidade e a tranquilidade às pessoas que não irão mais perder seus bens a cada chuva.

Quem mora nas imediações da Rua Maranhão, no Parque Pinheiro Machado; na Rua Antônio Botega, no Bairro São José; no Cerro Azul, na Chácara das Flores; ou na Travessa dos Remadores, no Campestre do Menino Deus, sabe muito bem do que eu estou falando.

Para executar essas importantes obras de Infraestrutura (e outras tantas que virão) na nossa cidade, foi preciso buscar recursos, sem comprometer serviços essenciais nas áreas de Saúde, Educação e Segurança. Ou seja, foi preciso, mais uma vez, buscar soluções. Com o Fundo Pró-Saneamento, que criamos após uma longa e difícil negociação com a Corsan, garantimos, pela primeira vez na história de Santa Maria, uma verba para ser investida, exclusivamente, em ações que visam resolver problemas dessa natureza.

Quando, lá no primeiro parágrafo deste texto, eu me referi a planejamento, era disso que eu estava falando. Hoje, temos um plano de ação, com os 14 pontos mais críticos da cidade mapeados e dinheiro garantido para resolvê-los. Em 161 anos da nossa bela Santa Maria, erguida sobre cursos d’água (uns canalizados, outros ainda correndo a céu aberto), isso nunca havia sido feito por uma Administração Municipal. Inacreditável, né!? Pois é… E há quem ainda pense que um cano enterrado não faz diferença nenhuma para população…

(*) JORGE POZZOBOM é o Prefeito Municipal de Santa Maria. Sua trajetória como agente político começou com dois mandatos de vereador, tendo depois se alçado, pelo voto popular, à Assembleia Legislativa. Em meio ao segundo período, em 2016, foi eleito para conduzir o Executivo santa-mariense. Ele escreve no site às terças-feiras.

OBSERVAÇÃO DO EDITOR: a foto (da rua Riachuelo) que ilustra este artigo é de João Alves (AIPM).



1 comentário

  1. Márcio Garcia Lopes

    Kkkkkk planejamento e ações concretas, diz ele. Kkkkkkkk. Pra quem não sabe esta obra e fruto de uma ação civil pública movida pelos moradores junto com o Ministério Público. Só assim mesmo, e ainda temos que ler isto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *