ARTIGO. Paulo Pimenta e a tentativa infrutífera de Bolsonaro, que quer criar uma nova verdade histórica

ARTIGO. Paulo Pimenta e a tentativa infrutífera de Bolsonaro, que quer criar uma nova verdade histórica

ARTIGO. Paulo Pimenta e a tentativa infrutífera de Bolsonaro, que quer criar uma nova verdade histórica - pimenta-artigoCrueldade, a marca do governo Bolsonaro

Por PAULO PIMENTA (*)

O capitão-presidente Jair Bolsonaro sempre foi conhecido, ao longo dos 28 anos de sua carreira parlamentar, pela truculência, raivosos ataques às minorias, ofensas às mulheres e aos homossexuais e, também, pela defesa radical da tortura e dos regimes autoritários. Nunca escondeu sua tendência flagrantemente totalitária – e como presidente de República, continua a reagir às críticas com agressões e comportamentos inadmissíveis para o cargo que ocupa.

Agora, acredita que o fato de ser presidente o autoriza a reescrever a história e violar o direito à memória e à verdade dos mortos e desaparecidos durante o período da ditadura militar (1964-85).

A atitude covarde do presidente em relação ao desaparecimento de Fernando Santa Cruz, pai do atual presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, desonra o mais alto cargo da República.

O direito à verdade é tão sagrado quanto o direito de prantear e sepultar entes queridos vitimados pela violência praticada pela ação ou omissão do Estado. O direito ao sepultamento é resguardado até mesmo nas guerras mais atrozes. Bolsonaro sabe que este direito foi negado à família de Fernando Santa Cruz, assassinado pela repressão em 1974.

O capitão- presidente age por motivo vil, para praticar pequena vingança e aviltar quem dele discorda. O recado é claro: ou a OAB se curva à sua vontade e apoia os seus devaneios totalitários ou até mesmo a memória dos mortos será violada.

O Estado brasileiro reconheceu os atos de exceção praticados contra brasileiros durante o regime militar. Negar este fato é mentir. É abusar de uma autoridade que não é sua, mas sim do povo brasileiro. Bolsonaro acredita que pode governar difundindo o ódio, cultivando o medo e dividindo a sociedade.

Sua decisão de alterar de forma unilateral a composição da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos tem o claro objetivo de reescrever a história sob a égide da mentira.

Na contramão do contexto democrático – que pressupõe o debate e a divergência e instituiu os órgãos colegiados como instâncias capazes de articular as diversas posições políticas encontradas na sociedade – , Bolsonaro extingue conselhos e nomeia para os colegiados membros de sua estirpe, a fim de impor sua visão única e distorcida da história, como ocorre nas ditaduras.

O capitão é incapaz de entender a diferença entre Governo e Estado e sabe que qualquer regime de exceção sobrevive pela interdição da verdade. Acha que transformar a comissão em um apêndice do governo pode alterar a realidade.

Bolsonaro quer “recriar” a história de uma forma diferente do que aconteceu, com ocultamentos, camuflagens e vetos àqueles que defendem a democracia e têm compromisso com a justiça e a verdade.

A sociedade brasileira lutou pelo restabelecimento de democracia, pela anistia, pelas eleições diretas, pela abertura dos arquivos da ditadura. A mentira, a desinformação e a ignorância não vão construir uma nova verdade, só vão estimular a intolerância e o ódio, levando o Brasil para um cenário de instabilidade e de consequências imprevisíveis, inclusive no campo econômico.

A verdade não pode ser censurada e nem a história, adulterada.

(*) Paulo Pimenta é Jornalista e Deputado Federal, líder da Bancada do PT na Câmara dos Deputados

OBSERVAÇÃO DO EDITOR: a imagem que ilustra este artigo foi publicada na versão online da revista Época, com fotos de reprodução e arquivo pessoal. Você pode ver o original AQUI. A legenda é a seguinte: Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, desaparecido em 1974, durante a ditadura militar e documento que informa data de sua prisão”



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *