CidadaniaCultura

CULTURA. Muito mais que rimas, batalhas de MCs carregam sonhos. Em SM, há duas bem conhecidas

Os MCs Drizzy (Minas Gerais) e César (Espírito Santo) duelam na final do nacional de 2017. O desafio foi vencido pelo rapper capixaba

Por LEONARDO MACHADO MARTINS (foto de Pablo Bernardo/Divulgação), Especial para o Site (*)

As batalhas de rimas estão em alta no YouTube, e em pouquíssimo tempo acabaram tomando conta ao redor do país. Esta modalidade foi criada pela “Família de Rua” em Belo Horizonte, que é onde acontece o maior evento de hip-hop do Brasil, conhecido como duelo de MCs nacional.

As batalhas de MCs podem ser formadas por trios, duplas ou individual, dependendo do estilo que for. As regras são bem simples, cada MC tem direito a uma a mandar quatro versos e são divididos em dois rounds, e se der empate vai para o terceiro e último. Normalmente, quem decide o campeão é a platéia, mas em alguns casos existem a presença de jurados, para dar a palavra final e decidir o vencedor do duelo. Vale também lembrar que a batalha possui um apresentador, que comanda a batalha e apresenta os MCs para o público.

Atualmente a mais assistida do Brasil é a Batalha da Aldeia, que conta com mais de um milhão e meio de inscritos no seu canal do YouTube. São muitas edições com prêmios em dinheiro e roupas, fornecidas por patrocinadores.

A cena das batalhas vem aumentando consideravelmente no Rio Grande do Sul, e em Santa Maria não é diferente. Aqui em solo santa-mariense há batalhas de grande reconhecimento, como a “dos bombeiros” e a “batalha do ita”, que acontece na concha acústica do Parque Itaimbé.

Os duelos vem reunindo grandes públicos. “Realmente, é legal ver a cena do rap crescendo em Santa Maria. Isso mostra a força da cidade no meio do hip-hop e na essência das batalhas de rimas, pois hoje, as rodas culturais de rimas podem ser consideradas como um forte movimento na cidade”, relata Diego Goulart, popularmente conhecido como MC Diego durante as batalhas.

O estudante de publicidade Fernando Viera afirma que quase sempre acompanhas as batalhas do Parque Itambé. “Sempre que posso estou presente nas batalhas, gosto muito do movimento e de rap, as batalhas mostram muito o talento de cada MC, os improvisos e o raciocínio rápido na hora de rimar são sensacionais”.

Hoje, as batalhas de MCs podem levar a grandes caminhos; a maioria dos rappers brasileiros teve o seu início nas batalhas. Um dos maiores exemplos é o César MC, que conta com músicas que chegam a mais de um milhão de visualizações. A mais recente é “canção infantil”, com 16 milhões de visualizações no YouTube.

(*) Leonardo Machado Martins é acadêmico de Jornalismo da Universidade Franciscana e faz seu “estágio supervisionado” no site

Leia também

ATENÇÃO


1) Sua opinião é importante. Opine! Mas, atenção: respeite as opiniões dos outros, quaisquer que sejam.

2) Fique no tema proposto pelo post, e argumente em torno dele.

3) Ofensas são terminantemente proibidas. Inclusive em relação aos autores do texto comentado, o que inclui o editor.

4) Não se utilize de letras maiúsculas (CAIXA ALTA). No mundo virtual, isso é grito. E grito não é argumento. Nunca.

5) Não esqueça: você tem responsabilidade legal pelo que escrever. Mesmo anônimo (o que o editor aceita), seu IP é identificado. E, portanto, uma ordem JUDICIAL pode obrigar o editor a divulgá-lo. Assim, comentários considerados inadequados serão vetados.


OBSERVAÇÃO FINAL:


A CP & S Comunicações Ltda é a proprietária do site. É uma empresa privada. Não é, portanto, concessão pública e, assim, tem direito legal e absoluto para aceitar ou rejeitar comentários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo