EDUCAÇÃO. Professores estaduais em greve, e ainda estudantes, realizam marcha contra perda de direitos

EDUCAÇÃO. Professores estaduais em greve, e ainda estudantes, realizam marcha contra perda de direitos

EDUCAÇÃO. Professores estaduais em greve, e ainda estudantes, realizam marcha contra perda de direitos - maiquel-cpersPor MAIQUEL ROSAURO (texto e foto), da Assessoria de Imprensa do CPERS-Sindicato

Educadores e estudantes realizaram a Marcha da Educação, na manhã desta sexta-feira (22), em Santa Maria. O ato, que teve início na Praça da Locomotiva, desceu a Avenida Presidente Vargas até a 8ª Coordenadoria Regional de Educação (8ª CRE). No local, foi entregue um documento no qual os grevistas pedem o recuo do governador Eduardo Leite (PSDB) em relação ao pacote que retira direitos dos servidores públicos.

Faixas e cartazes com mensagens a favor da educação e contra o governador marcaram a manifestação. No alto de um carro de som, os educadores demonstraram toda sua indignação.

“Eu vi um cartaz que dizia ‘me chama de IPVA e me defende’. A escola precisa da mesma defesa de quando o pessoal foi para a rua e mídias sociais pedir para voltar o IPVA parcelado. Nós estamos aqui pedindo para garantir a nossa profissão. Se o Estado não tiver educação, estará fadado ao fracasso total”, disse Lucio Ramos, membro da diretoria do 2º Núcleo do CPERS/Sindicato.

Na 8ª CRE, os educadores foram recepcionados pelo coordenador José Luis Eggres. Ele recebeu das mãos da vice-diretora do 2º Núcleo, Marta Skinovsky, um documento solicitando a retirada do pacote de medidas. Eggres disse respeitar a manifestação e se comprometeu a encaminhar o memorando ao secretário estadual de Educação, Faisal Karam.

Marta considera que o evento foi proveitoso, com uma grande participação de educadores e estudantes.

“Fomos bem-recebidos na 8ª CRE e entregamos nossas reivindicações. Estamos no começo de uma greve que não tem prazo para acabar e estamos fortalecidos”, relata a vice-diretora do 2º Núcleo.

Mobilização

Na próxima semana, a tendência é de que outras categorias se somem aos educadores contra o pacote do governador.

“A mobilização tende a aumentar. Iremos realizar uma reunião do Movimento Unificado para debater ações contra o pacote. Servidores de outras categorias deverão, em breve, se somar a nós”, projeta Simone Pirotti, membro da diretoria do 2º Núcleo do CPERS.

Retirada de direitos

Os educadores são os mais prejudicados com o pacote que Leite protocolou na Assembleia Legislativa. Estão previstas mudanças no plano de carreira da categoria, fim de adicionais por tempo de serviço e corte da incorporação de gratificações na aposentadoria.

Além disso, os educadores estão há 48 meses recebendo seus salários parcelados e há cinco anos sem reajuste.

LEIA TAMBÉM:

Leite decide cortar ponto de professores em greve do Magistério, mas admite negociação”, no portal do Correio do Povo (AQUI)



1 comentário

  1. O Brando

    Basta ver o ranking das escolas conforme o resultado do ENEM. Melhores são federais ou particulares. Fracasso total para quem? Prevaricação não tem desculpa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *